Google+ Followers

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

As heresias de Olavo no Jardim das Aflições!

Da série: Olavo mentiu para mim

Episódio 2: O anticatolicismo de Olavo no Jardim das Aflições



Nos últimos meses a manada olavista vem fazendo burburinho em torno da reedição da obra " O jardim das aflições" do sr. Carvalho. Até documentário já estão a preparar( e a arrecadar dinheiro para o mesmo). 

Fundamental então é recordar aos seus pupilos "católicos" o antiromanismo radical do sr. Olavo expresso na linhas do referido livro. Vamos a ele:


 " o cristianismo não tinha, originariamente, o espírito de uma lei religiosa...mas o de um ESOTERISMO, de um caminho puramente interior" p. 197. 

O cristianismo não é um esoterismo mas uma religião exotérica. 

"o cristianismo, malgrado sua imensa força de renovação espiritual, não estava muito bem dotado para reorganizar a sociedade civil e política...para se transformar em força organizadora da cidade terrestre ele teve que sofrer adaptações que arriscaram deformá-lo profundamente" p.197. 

Ou seja, para Olavo, a instituição de uma Igreja - com leis, dogmas, disciplinas exteriores - foi uma perversão daquilo que o cristianismo era em sua origem. 

"em que medida a Igreja de Roma, representada pelo seu papa, era pura autoridade espiritual? Não era também ela um poder temporal, CONTAMINADO PORTANTO DE FORÇA BRUTA? " p. 220.

 Olavo está a dizer o mesmo que os ortodoxos cismáticos e os hereges protestantes dizem: Roma se vendeu ao mundo. 

" A VERDADEIRA UNIDADE DA IGREJA, POR ISTO, NUNCA RESIDIU NA FORÇA MONOLÍTICA DA ADMINISTRAÇÃO CENTRAL ROMANA, mas, precisamente ao inverso, na floração espontânea da santidade nos lugares mais imprevisíveis e mais afastados do contato com a burocracia vaticana" p. 221

 Em suma: A Igreja de Roma não é a base da unidade da fé. Mais claro que isso é heresia, impossível.

 " há evidente mistificação em interpretar toda a simbólica maçônica...no sentido de um anticristianismo" p. 237 

Não é isso porém que pensa o venerável Papa Leão XIII: " Se todos os homens julgassem a árvore pelo seu fruto, e reconhecessem a semente e origem dos males que nos pressionam, e dos perigos que estão nos ameaçando! Nós temos que lidar com um inimigo enganoso e habilidoso, que, gratificando os ouvidos do povo e dos príncipes, os tem enleado por falas macias e por adulação. Entrando nas boas graças dos governantes sob a alegação de amizade, os Maçons tem se esforçado para fazê-los seus aliados e poderosos auxiliadores para a destruição do nome Cristão" Humanum Genus, número 28.

 " De acordo com Guénon, a civilização do ocidente se não conseguisse reunificar maçonaria e cristianismo - pequenos e grandes mistérios - restaurando o corpo cindido da espiritualidade tradicional não teria alternativa senão cair na barbárie ou islamizar-se. Como ambas as últimas tendeências não cessaram de se fortalecer nas década que transcorreram ao diagnóstico guénoniano, não se sabe aí o que é mais notável: a exatidão da profecia do grande asceta francês ou sua antecipação na alma de Goethe." P. 262

 Quer dizer: não há saída para a Igreja, segundo Olavo, senão aliar-se a maçonaria. Sem ela nada se poderia fazer contra a expansão do Islão. 


Quem tiver olhos que veja!

5 comentários:

  1. Como falar algo pra uma atrocidade destrutiva desta. Faça-me um favor sr Olavo, vc não remove a fé dos verdadeiros cristãos.

    ResponderExcluir
  2. Maçonaria e comunismo são como pai e filho, e têm um único lema: ordo ab chao.

    ResponderExcluir
  3. Olá! Gostaria de saber qual a opinião de vocês sobre o papel do Islã na NOM, visto que o objetivo dos muçulmanos é a aniquilação da Cristandade. Ou seja, os comunistas, os mega capitalistas e os próprios muçulmanos querem em comum a extinção do cristianismo. Todavia, apenas o servos de Maomé pregam a morte dos cristãos, mas por outro lado é incapaz de tolerar outras culturas e regras que não a Sharia, ou seja, os mega capitalistas e os comunistas não suportarão a intolerância do Islã, e este não aceitarão nada além do califado mundial. Como ficará?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Islã, sendo uma seita, e uma seita gnóstica, é uma ferramenta manipulada por sua elite. Os grupos terroristas sao minoria e sempre acabam minguando (claro, depois de fazerem muito estrago). O q fica é a maioria, massa de manobra desta elite gnóstica, sempre sendo adaptada ao momento em questao como caniços agitados pelo vento, e certas leis mantidas. O papel do maometismo é ser mais uma ferramenta usada pela elite para avançar sobre a Igreja. Ela pode até sair de controle por um momento mas a elite que a comanda (e que nem segue os mandamentos maometistas que impoem aos outros) detém o controle final.

      Excluir