Google+ Followers

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Eis por que a fé está em crise

Dom Luciano , Bispo de Nova Iguaçu promovendo ,na Catedral Diocesana durante as eleições de 2012, apoio a candidata socialista Sheila Gama, contrariamente ao que ensina a Igreja que condena o socialismo e a colaboração de católicos com o mesmo
Seria preciso fechar os olhos para não ver que a Igreja sofre hoje , uma grave crise.Esperava-se nos anos 60 uma primavera mas o que veio foi um rigoroso inverno.Milhares de padres , religiosos e freiras abandonaram sua vocação voltando a vida secular.Na Europa e na América perde-se a conta do número de seminarios , conventos , etc que tiveram que fechar; como bem disse Paulo VI em 1972 " por alguma fissura , a fumaça de Satanás entrou no Templo de Deus".E os dados dessa crise são estarrecedores.

No conjunto da Igreja entre 1962 e 1972 , 21320 padres foram reduzidos ao estado leigo.Entre 67 e 74 40 mil padres teriam simplesmente abonadonado sua vocação.Quebec que era no início dos naos 60 a região que contava com mais freiras no mundo viu o número cair em 44 % passando de 46933 para 26.294.As novas vocações caíram em 98 %.

Na França havia nos anos 50 mil ordenações.Desde os anos 90 não há mais de cem por ano.Em 58 , 35% dos franceses assistiam a missa nos domingos; hoje são menos de 5%.Em 1950 mais de 90 % das crianças nascidas eram batizadas na França; hoje menos de 50 % o são.Entre 70 e 93 , 1, 9 milhão de alemães abandonou a Igreja oficialmente.A crise é universal mesmo que não se manifeste da mesma forma ( nos países pobres onde o sacerdócio representa ascensão social ainda se recrutam muitas vocações mas de qual qualidade ? ).A América Latina tida como bastião do catolicismo está em vias de se transformar num continente protestante muito rapidamente.As vésperas do Vaticano II 94 % dos Brasileiros eram católicos; em 2000 eram apenas 74 % e menos de 60 % nas grandes cidades como Rio e São Paulo.5 igrejas pentecostais são criadas em média no Rio de Janeiro a cada semana.Fontes estatísticas informam que cerca de 8 mil pesoas passaraim para as seitas por dia na América Latina.O Chile já tem cerca de 20 % da população nas seitas protestantes e a Guatemala 30%.

Esta crise é inegavelmente de fé.As verdades fundantes da fé católica como a divindade de Cristo , o céu , purgatório , inferno são cada vez menos aceitas.Segundo estatística recente 58% dos franceses crêem na existencia certa ou provável de Deus, 65% não crê de modo algum na trindade , e 67% de modo nenhum no inferno.Entre os católicos praticantes somente 23 % crêem no inferno, 34 % crê que Maomé é um profeta, apenas 7% crê que a Igreja Católica é a única religião verdadeira !!!!!

A crise de fé traz uma crise moral: podemos dizer que hoje a vida dos católicos em nada difere do modo de vida dos filhos deste mundo , dos incrédulos.Sua fé fraca e esvaziada não tem mais força para influenciar sua vida , menos ainda para transformá-la.A fé dá-lhe força para vencer suas más inclinações e se entregar ao amor de Deus.Se a fé desaparece o homem não se vê mais chamado a perfeição moral nem a vida eterna ao lado de Deus e irá se entregar sempre mais aos prazeres desta vida.Fidelidade , pureza, sacrifício não são mais valores incontestáveis entre os católicos.Em cada tres casamentos católicos um acaba em divórcio.Na parte católica da Suíça 84 % da população católica  rejeita o ensino da Igreja sobre contracepção e 81% dela crê que um divorciado em segunda união pode comungar.

E isso tudo se deve a quê ? É simples : muitos padres perderam a fé ; eles não estão mais em condições de transmiti-la e dar aos homens entusiasmo por ela.A crise do clero é causa imediata da crise de fé entre os fiéis.Se a fé dos católicos anda tão mal ela só pode vir de um pregação defeituosa.Os homens não perderam sozinho a fé : ela lhe foi arrancada no catecismo e nas homilias.Durante décadas padres e mais padres vem relativizando ou negando dogmas de fé , como então se surpreender que os féis já não creiam mais ? Os mais jovens nunca foram apresentados a ela.E um clero cuja fé é fraca ou nula não terá força de guardar o celibato.Um clero que já não o guarda mais será uma pedra de tropeço para os fiéis: não terá como dar aos leigos amor a santidade.

Muitos não querem falar dessa crise por que ela incomoda, sobretudo as altas autoridades da Igreja que são diretamente responsáveis por ela.A atual crise se distingue de outras ocorridas em outras épocas pelo fato de as mais altas autoridades serem seus realizadores e continuadores, impedindo que medidas sejam tomadas para resolvê-las.Cito como exemplo a Diocese de Nova Iguaçu onde por décadas se ensina aos futuros padres as heresias da chamada teologia da libertação com total anuencia do Bispo.Hoje o seminario diocesano de Nova Iguaçu está fechado por falta de seminaristas.Mas quando funcionava mantinha em seu quadro  professores que negavam dogmas fundamentais como a infalibilidade da Igreja , do inferno , do pecado original , da transubnstanciação, do purgatório , do primado do Papa , da origem divina da hierarquia , da inerrância da Bíblia , da malícia do socialismo , alema de negarem verdades morais extraídas da fé como a indissolubilidade do matrimônio , da pecaminosidade do ato sexual fora do matrimônio, do caráter adúltero das segundas uniões, da necessidade do celibato , e da imoralidade do homossexualismo.

Nunca os erros e a negação pública das verdades de fé foram propagados como hoje em dia , graças à tolerância e aprovação e até à atividade do episcopado mundial.Essa é a marca particular da atual crise que é favorecida pelas mais altas autoridades da Igreja que frequentes vezes apoiam tais ensinos heréticos.

A única via pra sair desta crise é tomando consciencia dela.Ninguem fica curado de uma doença se não toma os remédios devidos.E ninguém irá remediar-se crendo que está em plena saúde.Ocorre que muitos prelados católicos pensam que o abandono destas verdades foi um progresso pois colocou a Igreja a altura dos tempos modernos.Porém os autênticos católicos devem se levantar para denunciar que o estratagema destes prelados que apresentam a atual crise como progresso , é a estratégia de destruição da Igreja e de sua total remodelação, para fins de torná-la uma força que contribua para o nascimento de uma nova religião global a do Anticristo, estejam eles agindo com consciencia ou não.

3 comentários:

  1. Excelente artigo!
    Você mostrou um retrato muito preciso do que tem acontecido em nossa Igreja. Reuniu dados estatísticos e descreveu de forma resumida, mas fiel, a situação. É possível simplesmente passar adiante este artigo do jeito que ele está para mostrar àqueles que ainda não se deram conta o que, afinal, é a crise pela qual a Igreja está passando.
    Parabéns!
    Pax et Bonvm

    ResponderExcluir