Google+ Followers

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Santo Agostinho, Nimrod, globalismo e o papel de Kogos, Conde e a direita






Nimrod


Santo Agostinho explica na obra, "A cidade de Deus", comentando o Gênesis da Bíblia, que Nimrod - aquele que era "caçador contra o Senhor" - foi o primeiro soberano da terra. Ele foi o construtor da Torre de Babel( Babel dá origem a Babilônia que significa "confusão"). Ele era caçador, quer dizer, assassino e enganador( pois o caçador espreita disfarçando e mata). A Torre era símbolo do seu reino: o objetivo era fazê-la tão alta como o céu. A torre era a exaltação do poder do homem. Mas o verdadeiro e seguro caminho para elevar-se ao céu é a humildade. Por isso em Jó lemos: choremos ante o Senhor que nos criou. Choremos pois pecamos contra ele. 



Nimrod não chorou mas elevou o espírito ao alto. Por isso Deus confundiu as línguas. Como a palavra é o meio usado para dominar e mandar, Deus abateu a soberba de Nimrod que não quis obedecer os mandamentos, fazendo que seus súditos não entendessem o que ele mandava pela mistura das línguas. E por isso as nações se dividiram e a obra de Nimrod - que consistia em criar um império universal do homem - gorou. 


Isso permite que tiremos daí certas lições: o globalismo atual é a nova torre de Babel; outra que, embora a divisão das nações seja castigo pela soberba e decorrência do pecado, ela é um mal menor perante os projetos imperiais de um reino universal do Homem feito um deus, um reino que sirva aos caprichos dos homens contra a vontade de Deus. Logo, os nacionalismos atuam agora do mesmo modo como outrora: enquanto barreiras ao reino universal do Anticristo - prefigurado por Nimrod. Neste momento histórico só temos dois poderes estruturados capazes de exercer influxo decisivo sobre a sociedade: 

1- Os poderes globalizantes ( ONU, FMI, governo dos EUA, OTAN, ongs internacionais atreladas aos poderes globais, grande capital, movimentos organizados como verdadeiras internacionais - feminismo, movimento gay, institutos liberais, organismos de esquerda, ADL judaica, maçonaria, rotary, etc.). 

2- Os poderes nacionais ( Basicamente as estruturas burocráticas do estado nação). A única maneira de barrar, conter, reverter o avanço da agenda globalizante é se apoiando no estado nação. Não há outra via no momento. Polônia e Hungria estão aí que não nos deixam mentir. É fundando-se no discurso nacional que estão conseguindo preservar a identidade cultural e religiosa do povo.

Evidente que há muitas mãos por trás do projeto globalista mas há que destacar o papel judaico. Sabe-se que os judeus anelam e acreditam em uma era messiânica onde um reino universal de Israel , a englobar e sujeitar todos os povos,  será inaugurado. Há judeus - mais ortodoxos - que esperam isso de uma intervenção divina direta na história ligada a manifestação do "messias" ( Os judeus renegam Cristo como falso messias e esperam ainda a vinda do "verdadeiro" ungido); outros, de linha sionista-racialista, entendem a manifestação deste reino como uma construção política através das ações estratégicas do Estado de Israel para ampliar seu poderio e o domínio racial hebraico sobre outras nações; há também os judeus laicos que, nem sendo sionistas nem religiosos ortodoxos, aderiram a um ideal secular de estado global  em moldes humanitaristas, e que atuam como força motriz desse processo de laicização mundial. Em que pese as diferenças entre os diversos tipos de judeus todos advogam a mesma coisa: o fim dos estados nacionais e o nascimento de um império universal seja ele claramente hebraico - caso dos ortodoxos e sionistas - ou disfarçadamente hebreu - caso dos judeus laicos. 

O anticomunista Leonardo Oliveira, vulgo Conde. Mais um iludido ou alguém que trabalha subterraneamente pelo globalismo? 


É significativo que Naum Goldmann,o dirigente judeu mais poderoso e influente dos últimos tempos, que presidiu ao mesmo tempo a organização sionista mundial e o congresso judeu mundial de 1936 a 1968 tenha dito que:

"A era messiânica se dará quando se possa realizar as idéias sem ocupar o poder, sem que ele exista. Sou o adversário mais endurecido da noção de estado e sobretudo de estado na sua versão moderna. O ideal judaico, as organizações judaicas devem por-se à cabeça daqueles que lutam contra o estado. Esse me parece ser o grande movimento revolucionário do porvir. O judaísmo mundial[...]deve converter-se num movimento revolucionário a favor da abolição do Estado Nacional e da paz" - In: Rivanera Carles, Federico. La última etapa de la globalización: el govierno mundial júdio. Buenos Aires, 2010, p. 28.( Op. cit."Memories: the autobiography of Nahum Goldmann. P. 118-119). 



Basta ligarmos os pontos senhores: vejam qual é o discurso dominante da atual direita que se articula e se organiza hoje no Brasil! 

Menos estado, menos imposto, ou então estado nenhum e imposto algum. Imposto é roubo dirão os seguidores da linha austríaca de economia. Os liberais e seus organismos ecoam a mesma doutrina. MBL e Rodrigo Constantino exaltam o ideário de sua radical redução. Os cupinchas do senhor Olavo de Carvalho, em nome do combate ao PT e ao comunismo, adotam o mesmo ponto de vista. Inclusive Paulo Kogos, o anarcocapitalista "católico", e Conde, o católico liberal, lideram a cruzada antiestado em seus canais do youtube, tentando juntar tudo isso, falsa e grotescamente, a proposições católicas ( Kogos remete ao medievo orgânico onde não havia estado nação e Conde à tradição dos fueros hispânicos, passando a impressão de que defendem um modelo católico de sociedade - o que é efetivamente falso pois a Igreja não se recusou aliar a estados modernos como foi o caso da monarquia lusitana e espanhola, grandes aliadas do papado dos séculos 12 a 17, inclusive tendo um forte papel de contenção do avanço protestante no século 16/17; cabe recordar também que Kogos e Conde advogam que, na hipótese de haver um estado, que ele não deve ter papel moral algum, o que diverge do parecer de Sto. Agostinho e de Leão XIII sobre a necessidade de as leis civis proibirem os vícios)

Kogos, agente judaico consciente ou só um idiota útil ao serviço do globalismo? 


Cremos que não precisamos insistir muito para deixar clara a quem estes senhores servem e para quem trabalham - saibam ou não, sejam agentes conscientes ou apenas idiotas úteis. Não importa que eles não queiram nenhum tipo de estado a governar, nem mesmo o global. O que importa é que, dialeticamente, sua verborragia anti-estado vai favorecer quem tem poder de reorganizar a sociedade sob seu tacão depois que o estado nacional for destroçado, estado nação que é o objeto primeiro da crítica de todos estes sujeitos. A destruição ou enfraquecimento do estado nação é o grande objetivo visado pelas ações subterrâneas da elite global.-judia. 

Quem tiver olhos que veja. 






quinta-feira, 13 de julho de 2017

7 Notas sobre Bolsonaro





1- Ele tem méritos inegáveis quando fala de armar o cidadão, quando é contra as reservas indígenas, contra o kit gay, quando exalta o papel da ditadura militar (que teve o último governo - o de Médici - realmente desenvolvimentista de nossa história), quando fala de uma estatal do Nióbio, etc.

2- Ele erra gravemente quando vai a Israel fazer curso de formação política - ora a ADL judaica é uma das maiores financiadores do casamento gay no mundo, Tel Aviv tem a maior parada gay do Oriente, judeus já conspiraram para criar um estado israelita em Mato Grosso( http://super.abril.com.br/blog/contaoutra/o-plano-obscuro-de-criar-um-estado-judaico-em-mato-grosso-do-sul/), portanto trabalham contra o interesse nacional brasileiro - erra quando defende política da natalidade que é pauta globalista ligada a aborto e ambientalismo, erra quando tende a liberalismo econômico e a americanismo para confrontar o comunismo e etc. Bolsonaro precisa entender que pobreza não é causa da por crescimento populacional e que se confronta comunismo com doutrina social da Igreja que traz o caminho da harmonia entre capital e trabalho. Aplicar liberalismo só aumenta o descontentamento do trabalhador jogando-o no colo dos comunistas. Para evitar isso precisamos da Doutrina social da Igreja que preserve o papel do patrão garantindo o bem estar do trabalhador ao mesmo tempo.

3- Para rearmar o cidadão ele terá de enfrentar o lobby globalista que quer desarmar países e pessoas ( Como mostra Daniel Estulin na obra " A verdadeira história do Clube Bilderberg") e para tal terá que fazer alianças internacionais que tornem o Brasil soberano e auto-suficiente em produção armamentista; neste contexto precisará enfrentar o sistema global financista dominado por judeus. Outrossim se o Brasil implementar um plano de corrida armamentista Bolsonaro precisará de uma plano de longo prazo que resulte em desestrangular o país das sanções internacionais e econômicas que virão em decorrência dela. Na medida em que ele está cada vez mais próximo a esfera de influência de Olavo de Carvalho fica difícil acreditar que ele venha a acordar da inconsciência sobre o papel negativo e decisivo dos EUA e dos Judeus nesse processo. Bolsonaro precisa se afastar do sr. Carvalho que é um agente anti-nacional a serviço dos EUA, de Israel e da Maçonaria. Alguém deve alertar Bolsonaro sobre isso

4- Se Bolsonaro não entender nada disso a tempo e vier a vencer a eleição 2018 ele não vai conseguir nem combater o desarmamentismo nem o indigenismo ou o gayzismo e só vai servir para acirrar os ânimos nacionais, lanças esquerdas e direitas numa guerra fratricida, o que resultará numa possível confrontação civil no país o que interessa diretamente ao globalismo - um dos projetos globalistas é dividir países em que pequenas republiquetas dependentes da ONU e dos órgãos globais. Se assim for a eleição de Bolsonaro terá servido apenas para desencadear o caos e a destruição final do país.

5- Bolsonaro não tem, agora, base social suficiente para exercer poder caso vença em 2018. Se não conseguir apoio em setores estratégicos - forças armadas, empresariado, classe média, etc - vai ter imensa dificuldade de governar. Sendo assim poderá até ser eleito mas não terá a maioria parlamentar e passaremos 4 anos numa perpétua luta entre executivo e legislativo sem nenhuma definição para o nosso destino nacional. Bolsonaro deve se aproximar da Igreja Católica e de lideranças católicas para obter maior margem de apoio.

6- Bolsonaro está tendendo a assumir posições politicamente corretas para amainar as críticas da mídia. Ora, Trump foi eleito mesmo com as mentira da mídia. Bolsonaro deve explorar o potencial de seus discursos anti-establishment para angariar votos. Embora a mídia seja influente na condução de uma campanha, o fenômeno Trump prova que ela não tem poder absoluto. Amainar o discurso só vai atrair a crítica dos jornalistas que dirão que se trata de oportunismo. É melhor que ele mantenha e sustente o discurso.

7- Bolsonaro nem de longe é um candidato perfeitamente anti-globalista. Tem potencial de se tornar se entender os poderes que estão por trás do globalismo. Muitos dos grupos a quem Bolsonaro está atrelado estão, de uma certa forma, a serviço do globalismo de uma forma sorrateira. O caso Olavo é emblemático. Recentemente descobriu-se a relação entre a direita romena e George Soros. A direita romena é composta de pensadores amigos do sr. Olavo a quem hoje o filho de Jair Bolsonaro (Eduardo Bolsonaro) segue. Olavo também diz que o combate ao homossexualismo deve ser só moral jamais político e que o Estado pode aprovar o casamento gay civil. Ora o homossexualismo é uma agenda mundial que visa enfraquecer povos e destruir as tradições familiares. O combate não pode ser só ao movimento gay mas também a prática gay. Caso Bolsonaro assuma este discurso ele terá o apoio efusivo de católicos e até de protestantes, engrossando sua militância e aumentando suas chances de vitória.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Francisco diz que todo cristão é um judeu: o Papa a serviço dos deicidas!

Resultado de imagem para Francisco e os judeus
Francisco beija a mão dos seus mestres. Um papa que serve aos judeus quer mesmo o bem da Igreja? 


Francisco pode ser tido como o papa que defende uma cruzada de apoio ao povo que assassinou Jesus Cristo. Desde o tempo que ele foi arcebispo de Buenos Aires seu papel vem sendo o de absolver os judeus de qualquer culpa em relação a morte de Cristo e de passar a impressão - falsa - de que há muitos laços de união entre cristãos e os apóstatas talmudistas que dizem que Jesus está agora no inferno sendo castigado por demônios em uma vala de fezes. 

Nós já mostramos, aqui no catolicidade( http://catolicidadetradit.blogspot.com.br/2014/06/cristaos-x-judeus-amizade-e-dialogo.html), que a união e o diálogo entre judeus e cristãos é impossível e perigosa, dado o fato de que judeus sempre tramaram e continuam a tramar contra a cristandade católica. 

A ajuda do Papa aos inimigos da Igreja fica evidenciado nesta matéria do Washington Post: 

" CIDADE DO VATICANO - Sublinhando os estreitos laços entre cristianismo e judaísmo e chamando a negação do Holocausto de "loucura", o Papa Francis disse a um entrevistador que "dentro de cada cristão é um judeu".

Em uma ampla entrevista publicada na sexta-feira (13 de junho) no jornal espanhol La Vanguardia, o papa disse que o diálogo entre as duas religiões pode às vezes ser uma "batata quente".

"Acredito que o diálogo inter-religioso deve investigar as raízes judaicas do cristianismo e o florescimento cristão do judaísmo", disse Francis. "Eu entendo que é um desafio, uma batata quente, mas é possível viver como irmãos."

A declaração de Francisco parece ir mais longe do que o seu predecessor, São João Paulo II, que fez as manchetes em 1986 como o primeiro papa a visitar a principal sinagoga de Roma e declarou os judeus como os "irmãos mais velhos" da fé cristã.

"Todos os dias, rezo com os Salmos de Davi. Minha oração é judaica, então tenho a Eucaristia, que é cristã ", acrescentou o pontífice argentino.

O papa também aproveitou a oportunidade para criticar a negação do Holocausto como "loucura", enquanto defendia o registro do Papa Pio XII, que liderou a Igreja Católica Romana durante a Segunda Guerra Mundial.

Em breve, Francisco terá de decidir se deve promover a causa da santidade para o polêmico papa da guerra, que é acusado de não falar publicamente contra o assassinato em massa de judeus. Durante anos, líderes judeus e caçadores nazistas exigiram que o Vaticano abrisse seus arquivos secretos em tempo de guerra.

Francisco disse que estava preocupado com "tudo o que foi lançado no pobre Pio XII", enquanto enfatizava que ele abrigava judeus nos conventos de Roma e outras cidades italianas, bem como a residência de verão dos papas em Castelgolfo.

"Não quero dizer que Pio XII não cometeu erros - eu cometi muitos erros - mas seu papel deve ser lido no contexto da época", disse o Papa".( https://www.washingtonpost.com/national/religion/pope-francis-inside-every-christian-is-a-jew/2014/06/13/775750fc-f324-11e3-8d66-029598e98add_story.html?utm_term=.30d80d2766be). 

A quantidade de "pérolas" do Pontífice é impressionante: ele admite a farsa do holocausto, mentira criada para transformar o judeu na vítima necessitada de todos os direitos e concessões possíveis, a fim de que seu projeto de poder mundial seja tornado factível, diz que Pio XII errou - em quê? - e que cristianismo tem origens judaicas - esquecendo que Jesus repudiou o judaísmo de seu tempo. 

É preciso resistir ao empenho judaizante de Francisco! 


quinta-feira, 18 de maio de 2017

MBL a serviço de Israel


Resultado de imagem para mbl movimento
Sob o mote de, Fora Dilma, Fora PT, combate à corrupção,  o MBL vai trabalhando pela escravização do Brasil aos interesses judaicos



Não é de hoje que falamos da associação espúria entre neodireita, sionismo e maçonaria. Pois bem: o MBL vai realizar o evento "Passando o Brasil a Limpo",  efetivado - pasmem - pela Associação Sionista Brasil Israel! 




A pergunta que fica é: como o MBL pode se apresentar como um movimento que defende a liberdade do Brasil se está associado ao sionismo, que tem um projeto de poder universal, onde todas as nações ficarão sob a batuta de Israel, que é visto, dentro da ideologia sionista, como o Estado Redentor, como o Messias da Humanidade? 

A associação sionista Brasil Israel, em sua página de facebook, deixa claro qual seu objetivo: 



Eles apoiam Israel - incondicionalmente. Ou seja, se houver conflito entre o interesse brasileiro e o de Israel, eles ficarão ao lado de Israel. É esta associação a que o MBL - que diz trabalhar pela libertação do Brasil - se vincula. O que falta para perceber que o MBL está - como toda a neodireita - a serviço de interesses estrangeiros? 

É preciso entender que os judeus agem no mundo em dois pólos opostos, que completam sua obra de desagregação das sociedades. O judeu Eberlin o reconhece na pág. 51 de seu livro  “Les Juifs d’Aujourd’hui”, edição Rider, Paris, 1927: “O cosmopolitismo do agiota torna-se o internacionalismo proletário e revolucionário”. Diz Bernard Lazare que a “alma do judeu é dupla; dum lado é o fundador do capitalismo industrial, financeiro, agiota e especulador, colaborando para a centralização dos capitais destinada a destruir a propriedade, a proletarizar os povos e a criar a socialização; do outro, combate o capitalismo em nome do socialismo, isto é, da socialização total.” Pelos dois lados, os judeus atingem o mesmo fim. Assim, Trotski e Rothschild “marcam as oscilações do pêndulo judaico”. O plano está claramente delineado mas esse despistamento é realizado sobretudo pela imprensa. Basta reparar como certos jornais em consórcio ou associados manobram ou manipulam a opinião pública em sentidos diversos, quando sua direção geral é única.

Logo senhores que fique claro de uma vez: Escola sem partido, MBL, olavetismo, etc, são modos de ser do mesmo poder judaico que vem se valendo da nova direita no Brasil para impor um culto à Israel e a seus interesses aqui dentro. 

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Suposto ataque muçulmano em SP e a histeria da nova direita: mais uma armação do globalismo.





Direita SP: mais um órgão a serviço do americanismo e globalismo no Brasil. 




Nós assistimos, ultimamente, a uma onda neodireitista no Brasil que copia cacoetes e temas recorrentes na direita americana. Um destes temas é o do "perigo muçulmano" enquanto faz vista grossa aos autênticos problemas brasileiros. O sonho da nova direita é emplacar, no Brasil, o mesmo tom ideológico das discussões políticas dos EUA. Enquanto a nova esquerda cultural faz seu trabalho trazendo para cá as lutas de liberação feminina e antiracismo - ou seja os mesmos temas da esquerda americana  - acusando nossa cultura nacional de ser machista e racista - a nova direita completa o serviço criando, em nossas terras, o avesso ideológico disso, buscando nos convencer que estamos à beira de uma onda de invasão islâmica. 

O mote para provocar tal histeria coletiva vem sendo a nova lei de imigração no Brasil de autoria de Aloysio Nunes, senador pelo PSDB de SP. Embora o projeto já tramite desde 2015, só agora é que a nova direita resolveu focar de forma mais incisiva sobre o assunto. 

O motivo que a nova direita encontrou para levar a cabo tal projeto é um suposto atentado terrorista que teria ocorrido em SP, no dia 02/05/2017, durante uma manifestação do grupo "Direita São Paulo", um grupo anti-imigração. 

Primeiro falemos sobre o suposto atentado. 

Antes de mais nada devemos definir o que é terrorismo: " Terrorismo é o uso de violência, física ou psicológica, através de ataques localizados a elementos ou instalações de um governo ou da população governada, de modo a incutir medo, pânico e, assim, obter efeitos psicológicos que ultrapassem largamente o círculo das vítimas, incluindo, antes, o resto da população do território ( HOFFMAN, Bruce. Inside terrorism 2006, p. 16)".

Definido o que é terrorismo temos aqui o relato dos fatos ocorridos no suposto atentado: http://www1.folha.uol.com.br/poder/2017/05/1880596-lider-do-palestina-para-tods-e-preso-apos-confronto-com-direita-anti-imigracao.shtml

A Folha online mostra, em sua matéria, como pode ser conferido acessando o link; 

1- Que a PM deteve dois palestinos numa briga havida entre eles e o grupo Direita São Paulo

2- Que Zarif, dono de um bar no Bixiga, milita pela causa palestina, ou seja, pela causa da fundação de um estado palestino. A causa palestina envolve a idéia da criação de um estado nacional na Palestina que abrigue a população dos refugiados em decorrência das guerras de conquista de Israel, que, desde os anos 40,  obrigou-os a se deslocarem para Gaza e outras áreas. Ora, entre os refugiados palestinenses há cristãos também. Zarif não milita pela criação de um estado islâmico na Palestina mas por um estado em moldes ocidentais, um estado-nação.   

3- Segundo o grupo Direita São Paulo a agressão partiu dos palestinos mas Nur, amigo palestino de Zarif, apresentava escoriações e ferimentos. 

4- O grupo Direita São Paulo admite que houve trocas de socos e chutes entre os dois lados o que ficou comprovado por um vídeo lançado pelo grupo na internet. 

5- André Petros, líder do grupo, é filho de imigrantes: mãe boliviana e pai grego, mas é anti-imigração de muçulmanos. Segundo Petros, o problema é só um: o fundamentalismo islâmico. 

6- Para Edson Salomão o problema, na verdade, é que os palestinos seriam " Anti-Israel". 


O grupo alega que uma bomba teria sido lançada sobre eles e que um integrante do Direita SP teria se machucado. Mas o vídeo que lançaram na internet não permite muitas conclusões sobre o culpado pelo lançamento: https://www.facebook.com/direitasaopaulo/videos/1162667133837951/?hc_location=ufi

O grupo " Direita São Paulo" está articulado à figuras tarimbadas da nova direita brasileira, como Luiz Philippe de Orleans e Bragança, da dinastia dos Bragança, amigo de liberais e maçons, Bia Kicis, Olavo, etc. O sr. Edson Salomão é protestante e está articulado à família Bolsonaro que, recentemente, teve seu patriarca - o Deputado Jair Bolsonaro - convertido a heresia protestante. 














Pelo que a matéria da Folha expõe, não é possível dizer que houve ataque terrorista: não há provas de que Zarif faça parte de um grupo que articule ataques para desestabilizar um governo ou criar terror psíquico sobre a população como um todo, indo alem dos círculos das vítimas, como bem define Hoffman quando trata da natureza do terrorismo. De modo que fica evidente que o discurso do Direita SP não passa de tentativa de impor uma agenda ao Brasil. Que agenda é esta? 

É a seguinte: nos idos de 2001, G. W. Bush, presidente dos EUA, usou o impacto do ataque às torres gêmeas para justificar não apenas a invasão do Iraque mas para criar o Patriot Act. Ele permitiu, entre outras medidas, que órgãos de segurança e de inteligência dos EUA interceptassem ligações telefônicas e e-mails de organizações e pessoas supostamente envolvidas com o terrorismo, sem necessidade de qualquer autorização da Justiça, sejam elas estrangeiras ou americanas. 

O ato de Bush abriu caminho significativo para que um controle informacional seja exercido de forma direta e ilimitada sobre todos. Criou, em suma, a base e a justificação para uma vigilância mundial, o que abre vias para um governo mundial. A mídia mundialista passou, nas últimas décadas, a tratar o terrorismo muçulmano como guerra contra um inimigo sem estado; sendo assim a guerra vira um empreendimento mundializado, a-territorial, ilimitado e global. Há uma inimigo comum a ser combatido e para ele é preciso tomar medidas comuns, o que exige um governo global. 

Sobre este governo global há duas tendências: uma que quer fundá-lo em órgãos globais como ONU, etc - linha esta que estaria mais atrelada ao partido democrata dos EUA, uma linha mais progressista e igualitária, favorável a abertura indiscriminada de fronteiras - e outra que quer que este governo global seja o Império Americano - linha atrelada aos neocons americanos, à extrema direita do partido republicano e ao Tea Party, que quer espalhar as liberdades e a cultura americana pelo mundo de forma a dominar, mental e economicamente, povos e civilizações. Ambas as tendências usam o mote do "terrorismo como problema global" para impor a sua agenda. No caso do Direita SP o que está em jogo é a promoção da linha republicana e neoconservadora. A insistência do grupo em falar de Israel e Trump é proposital. Basta lembrarmos do fato de que Trump - atual presidente dos EUA - é o presidente americano mais pró-Israel dos últimos tempos. 

Não podemos esquecer que Israel é bastião dos EUA no Oriente Médio, assim como boa parte da elite econômica americana é feita de judeus. Quando G. W. Bush chegou ao poder as empresas que mais doaram para sua campanha foram empresas de famílias judaicas como a Morgan Stanley,  Goldman Sachs,  Lehman Brothers e Bear Sterns, que ficaram entre os dez maiores doadores. Trump não é diferente: seu governo tem vários judeus em postos chave como podemos ver aqui: http://glorinhacohen.com.br/?p=34783. 

Portanto o objetivo do Direita SP é nada mais, nada menos, que acostumar o público brasileiro com a idéia de uma ameaça muçulmana generalizada e, junto a isso, fazer crer que a saída é nos identificarmos com a causa de Israel e com as pautas do partido republicano. 

A narrativa do Direita SP se mostra ainda mais absurda quando vemos que Zarif é dono de um bar onde bebida alcoólica é vendida, como verificamos aqui( http://www1.folha.uol.com.br/saopaulo/2016/11/1829396-imigrantes-trazem-novidades-gastronomicas-e-culturais-a-sao-paulo-veja-guia.shtml); lembremos que o Islam proíbe o consumo deste tipo de bebidas pelos adeptos, o que prova que Zarif está longe de ser um fundamentalista islâmico como o Direita SP tenta fazer parecer. 


O foco do grupo vem sendo, ultimamente, fazer manifestações contra a nova lei da imigração que, de fato, tem problemas, como a abertura de nossas fronteiras e o fim do critério de segurança nacional,  para selecionar quem entre e fica, existente na lei de imigração da época militar. Esta agenda abarca a linha democrata do globalismo; contra  tal linha o Direita SP nos quer fazer engolir o globalismo da Doutrina Monroe americanista falando dum perigo imediato de invasão muçulmana, criando assim uma identidade entre nossos problemas e os dos EUA. Na medida em que isso acontece passamos a ter nossa política pautada no ponto de vista americano e é isso, exatamente isto, que a nova direita quer.

 Sobre esta questão candente de imigração algumas coisas devem ser lembradas: 

1- Não há um problema migratório no Brasil. Temos apenas 0,9 % de imigrantes em nossa população, a maioria, regular. 

2- O número de muçulmanos no Brasil é de 0,5%, cerca de um milhão. Um número pequeno e que mostra que a curto ou médio prazo não há a mínima chance de nos islamizarmos. 

3- A maior parte dos migrantes que vem para cá são haitianos ou bolivianos; recentemente tivemos o aumento de venezuelanos entrando aqui. Estes imigrantes tiram empregos de trabalhadores brasileiros pois recebem menos, são mão de obra barata. Se a nova lei da imigração passar a ameaça real será aos empregos dos brasileiros em razão dos riscos duma invasão de hispano-americanos pobres de países vizinhos. ( http://exame.abril.com.br/brasil/o-panorama-da-imigracao-no-brasil/)

4- Não temos fronteiras com países islâmicos. Não estamos envolvidos em conflitos com países islâmicos que nos torne foco de ataques jihadistas. Não gozamos de um estado de bem estar social como Europa e América do Norte que atraia imigrantes. Não existe perigo muçulmano imediato aqui, portanto. 

Desta maneira fica claro que o grupo Direita SP é só mais um "cachorro doido" treinado pela nossa nova direita, para explorar o tema do perigo muçulmano a fim de que perigos reais - como a sujeição do pais a organismos financeiros internacionais, nosso subdesenvolvimento em razão de nossa sujeição ao capital americano e global, a expansão das seitas protestantes que destroem nossa malha religiosa e social católica, etc - não sejam conhecidos e compreendidos. Afinal, o que interessa a nova direita é que o Brasil vire colônia dos interesses de judeus, americanos e protestantes. Com a alegação do Direita SP sobre o suposto "primeiro atentado muçulmano terrorista no Brasil" fomos postos na lista de países que "sofrem" com o perigo muçulmano, desculpa usada para estender as garras da Nova Ordem Mundial.

 Estejamos atentos.  








sexta-feira, 28 de abril de 2017

O americanismo cultural: o fantasma que ameaça o Brasil – Parte 1: Proclamação da República e o americanismo





 Introdução

   Pretendemos dar início a uma série de estudos, em forma de artigos, a respeito da invasão do Brasil pela cultura e padrões norte americanos. A neodireita brasileira tem falado bastante do perigo do “marxismo cultural” ao mesmo tempo que envereda pelo americanismo cultural e por uma visão de que devemos copiar as instituições dos EUA, a fim de sermos uma “civilização”. Todavia é preciso denunciar uma coisa sem ignorar a outra, dado que as duas correntes ameaçam nossa identidade profunda.

   Neste primeiro momento falaremos da invasão americanista ocorrida na era do Império, a partir da obra de Eduardo Prado, “ A ilusão americana ”.

Parte 1 : Quem foi Prado?

   Eduardo Prado era filho de um aristocrata paulista do café. Bacharelou-se em direito e tinha interesses intelectuais em história, literatura e política. Foi membro do IHGB ( Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro ) e criou um círculo intelectual de estudos brasileiros e lusos em Paris.


Parte 2: Prado e a República de 1889.

   Para Prado a república substituiu o país ético, tradicional, monárquico e católico, por uma cópia mal feita dos EUA, sem tradições e anticatólico. A monarquia podia ser referida a uma série de valores comuns, partilhados por todos. Ademais a figura de uma autoridade centrada no Rei era mais conforme nosso espírito e nossas necessidades que a idéia de poder emergindo das massas. A noção de uma autoridade monárquica dava ao país princípios mais ou menos fixos a partir dos quais podíamos conduzir a pátria e mesmo orientar as reformas e mudanças necessárias. Ainda segundo o autor, Pedro II foi um rei civilista que, em razão de seu amor aos estudos e de seu afastamento dos quartéis, teria evitado que o Brasil seguisse o mesmo caminho das repúblicas latino-americanas de origem hispânica, onde o caudilhismo sufocava as nações com golpes e contra-golpes contínuos trazendo um clima de perpétua instabilidade. O começo do fim do Império se deu quando Pedro II permitiu que o ensino dos militares se bacharelizasse. Foram os bacharéis fardados que, cheios de ideologias novas que deram o golpe no Império.

   Mesmo levando em conta a presença forte da maçonaria no governo imperial – maçonaria que empre foi portadora da ideologia americanista – é preciso entender que a aplicação destes postulados aqui no Brasil , durante o império, foram tímidos, reduzidos a um constitucionalismo temperado pelo poder moderador do Imperador. Isso mostra que apesar dos pesares, no Império sobreviviam elementos do Brasil profundo, orgânico e católico, que não podiam ser simplesmente ignorados e eliminados. A elite governamental do Império, ainda que maçônica, foi obrigada a um termo de compromisso com este Brasil profundo.

Parte 3: O abismo Brasil – EUA.

   Prado ressalta a diferença radical entre a cultura brasileira e a norte-americana para demonstrar que a constituição de uma república no Brasil era uma insanidade, dado que não tínhamos o perfil cultural para abrigar um sistema como o dos EUA.

   Primeiro o autor apresenta o fato de que os EUA sempre foram voltados para a América, já que sua independência fora uma ruptura radical com a Inglaterra. O Brasil seria voltado à Europa, dada sua independência como transição. Há inclusive a geografia que nos separa dos países andinos e nos isola, tornando-nos uma “ilha” na América ( a tese da ilha Brasil ). A história nos destaca pois a América Espanhola – assim como os EUA – adotou desde o começo de sua independência, o modelo de república democrática americana. No mundo das repúblicas de origem espanhola ( Argentina, México, Peru, etc) o que reinava no século 19 eram sedições, ruína econômica, ditaduras, etc. Já o Brasil Imperial havia adotado a máxima de se reformar dentro de si mesmo, com a própria substância
Portanto para Prado não havia sentido falar de “fraternidade americana”. A história prova os imensos ódios nacionais entre Bolívia, Chile, Argentina, Paraguai, etc, o que, por tabela, atesta que a república é essencialmente dissolvente e semente de divisões irreconciliáveis.

   Há ainda outro ponto a frisar que é o da Diplomacia dos EUA durante o século 19, baseada no princípio de dividir para reinar. Há muitos exemplos sobre isso. Durante conflitos entre Brasil, Argentina e Uruguai sobre navegação no Rio da Prata, os EUA fizeram exigências exorbitantes ao Brasil, exatamente para jogar o país contra seus vizinhos. Durante a Guerra do Paraguai o governo americano foi cúmplice de Solano Lopez. Quando se tratou de tomar o Texas, o governo dos EUA estimularam a revolta interna contra o governo do México.

   O caso do rei Maximiliano, que chegou ao Ttrono no México, é um belo exemplo. O príncipe francês fazia uma reforma no campo, combatendo a servidão camponesa, buscando a moralização das relações entre camponeses e donos de terras. Os EUA ajudaram a derrubá-lo, pondo no lugar um governo mais aberto à sua influência. Com os generais Diaz e Gonzalez os EUA obtiveram vantagens enormes em vários negócios no México como a execução de obras públicas, concessões de terras e de estradas, o que deixou a infraestrutura do país nas mãos de cias estadunidenses.

   Em 1831 os EUA tomam as Malvinas da Argentina e dão aos ingleses. Promoveram também a separação do Panamá da Colômbia para construir o Canal que favorece seu comércio naval é outro exemplo. Antes disso os EUA fizeram malograr o plano de um canal transoceânico no México a ser feito por uma Cia francesa. O caso do Peru também merece menção: o governo americano passou a apoiar generais que queriam nacionalizar a exploração do Guano – riqueza mineral que funciona como excepcional fertilizante dado seu alto índice de nitrogênio – e depois que eles chegavam ao poder cobravam a conta do apoio exigindo acesso à exploração do mesmo. Isso tudo prova que o papel dos EUA foi extremamente danoso aos países independentes da América espanhola, mais ligados à sua zona de influência, dado o fato de compartirem simpatias políticas com os norte americanos, em razão de terem adotado o mesmo sistema político.

Parte 4: Os EUA de 1776 e os EUA do século 19.

   Ademais Prado mostra que os EUA da independência ainda tinham algum valor moral, alguma exemplaridade para apresentar. Já os EUA do século 19 depravou-se irremediavelmente. Em 1776 tínhamos uma sociedade abnegada, patriótica e agrária. Prevalecia um capitalismo com religião e moral puritana. Ganhar dinheiro mas para a Glória de Deus. Já em 1870 os EUA havia se tornado outra coisa: agora era uma sociedade industrial burguesa, onde reinavam as grandes cidades, onde imperava a ganância, o capitalismo selvagem e o egoísmo materialista. A partir daí a política nacional começa a ter como base o interesse das grandes corporações. A solidariedade dos tempos tradicionais é abandonada. A cultura do faça por si mesmo, crie a si mesmo, vire-se por si mesmo, vira a lei.

   Isto se refletirá na política externa estadunidense que não será mais baseada, no fim do século 19, em valores mas em alfandegarismo econômico ( política de fronteiras abertas para assegurar lucros de sua indústria em outros países ). A plutocracia – uma nova classe de ricos banqueiros – tomou os partidos políticos e o Estado americano. Andrew Carnegie, grande industrial do aço, usou, nesta época, milícias privadas para matar e reprimir grevistas, com a anuência do governo. Tal contexto levou a uma grave promiscuidade entre público e privado: o homem público, no sistema americano, virara um ventríloquo da plutocracia sem a qual não poderia se eleger. Sua dignidade e independência se perdiam definitivamente.

Parte 5: Influência moral dos EUA sobre o Brasil.

   Segundo Prado o pior de tudo foi a influência moral americanista sobre o Brasil. Seu exemplo impõe uma nova cultura fundada no individualismo onde preponderam os interesses de grupos econômicos sobre quaisquer outros. Na medida em que os EUA havia virado, de vez, uma sociedade de aventureiros egoístas, ele não tinha nada a oferecer ao Brasil em 1889 a não ser corrupção moral já que nos EUA a corrupção administrativa é a essência dos governos e dos partidos, vendidos ao poder das grandes corporações, já que passaram a depender do dinheiro delas para vencer eleições.

Parte 6: A monarquia, salvação do Brasil.

   Prado termina sua obra fazendo uma ode à Monarquia. Segundo o mesmo ela ofereceria:

- Estabilidade;
-Princípios de virtude, oposição ao materialismo, abnegação e predomínio do interesse comum sobre o particular; na medida em que o monarca não é eleito ele fica livre de obter o poder via eleição, libertando o poder político, por tabela, da influência plutocrática.
- Solução proletária: monarcas tem interesse direto em solucionar a questão social do trabalho pois sabem que isto pode lhes custar o trono.

   Em certa medida alguns poderiam contra-argumentar que na França de 1792 e na Rússia de 1917 os reis perderam o poder porque não foram sensíveis aos reclamos proletários, o que é verdade. Mas isso se deveu muito mais a falta de visão dos dois monarcas que a um princípio ínsito ao monarquismo.

   Prado também alega que a monarquia no Brasil jamais legitimou a escravidão. Já nos EUA ela foi justificada por panfletos científicos, políticos e religiosos. Aqui no Brasil os escravocratas não foram cínicos a tal ponto, o que só foi possível graças ao espírito essencialmente lusitanista da nossa monarquia, dado que a tradição portuguesa sempre teve a integração de raças como princípio – como bem mostra, aliás, o sociólogo Gilberto Freyre - sendo Portugal mesmo, um país resultante de uma fusão racial entre celtiberos, romanos, visigodos e árabes. Prado prova que, para a monarquia, a escravidão nunca fora uma questão de princípio tanto que foi a Lei Áurea que sedimentou a queda do trono ( o que provaria, mais uma vez, a independência entre trono e os interesses econômicos, dado que tal lei afetava de forma direta a elite agrária ).

Conclusão

   A república dos EUA é fundada, historicamente, no interesse econômico. Foi ele que gestou sua independência e foi ele, também, que conduziu toda sua história no século 19. Tal interesse é que gera o motor para as luta de classe e para a imanentização final dos valores. Logo é a república americana a preparação necessária para a revolução socialista. Na medida em que ela espalha seus postulados capitalistas-liberais pelo mundo, ela prepara o terreno a fim de que o marxismo, em suas diversas facetas, se instale. Portanto erra a nova direita quando acredita numa solução americanista para o Brasil. Se copiarmos o modelo dos EUA estaremos fadados a ver o país naufragar em revoluções sem fim. Hoje se há marxismo cultural nos EUA é graças à forma republicana de sua vida política, que leva, necessariamente, por força da sua lógica interna, às lutas classistas intestinas em prejuízo da pátria. Um movimento monárquico que não tenha a consciência disso não passa de espantalho de um americanismo que assume uma forma semi-oculta para dominar a vida nacional brasileira com todas as consequências funestas que daí advirão.



sexta-feira, 14 de abril de 2017

A paixão de Cristo segundo São João da Cruz





“Tendo dito que Cristo é o caminho e que, para segui-lo, é preciso morrer à própria natureza tanto nas coisas sensíveis quanto nas espirituais, quero explicar agora como se realiza isto; pois ele é nosso modelo e luz.

Quanto ao primeiro ponto, é certo que Nosso Senhor morreu a tudo quanto era sensível, espiritualmente durante a vida e naturalmente em sua morte. Na verdade, segundo suas próprias palavras, não teve onde reclinar a cabeça na vida e muito menos na morte. Quanto ao segundo ponto, é manifesto ter ficado na hora da morte também aniquilado em sua alma, sem consolo nem alívio algum, no desamparo e abandono do Pai, que o deixou em profunda amargura na parte inferior da alma. Tão grande foi esse desamparo que o obrigou a clamar na cruz: “ Meu Deus, Meu Deus, por que me desamparastes?( Mt 27, 46). Nessa hora em que sofria o maior abandono sensível, realizou a maior obra que superou os grandes milagres e prodígios operados em toda a sua vida: a reconciliação do gênero humano com Deus, pela graça. Foi precisamente na hora do maior aniquilamento do Senhor em tudo que essa obra se fez: aniquilamento quanto à sua reputação, reduzida a nada aos olhos dos homens, e estes, vendo-o morrer na cruz, longe de estimá-lo, dele zombavam; quanto à natureza, pis nela se aniquilava morrendo; e, enfim, quanto ao seu espírito igualmente exposto ao desemparo pela privação do consolo interior do Pai que o abandonava para que pagasse puramente a dívida da humanidade culpada, efetuando a obra da redenção nesse aniquilamento completo. Profetizando sobre isso diz Davi: “Também eu fui reduzido a nada e não sabia” ( Sl 72, 22). Compreenda agora o bom espiritual o mistério dessa porta e desse caminho – Cristo – para unir-se com Deus. Saiba que quanto mais se aniquilar por Deus segundo as duas partes, sensitiva e espiritual, tanto mais se unirá a ele e maior obra fará. E quando chegar a reduzir-se a nada, isto é, à suma humildade, se consumará a união da alma com Deus, que é o mais alto estd que se pode alcançar nesta vida. Não consiste a vida cristã em recreações, nem gozos, nem sentimentos espirituais e sim, numa viva morte de cruz para o sentido e para o espírito, no interior e no exterior.” In: São João da Cruz. A Subida do Monte Carmelo. Editora Vozes, Petrópolis, 2010. P. 117.


Todos pediam sua morte, todos O odiavam, todos O injuriavam. Tudo isto fazia Jesus sofrer imensamente mais que as inexprimíveis dores que pesavam sobre seu corpo. E havia pior. Havia o pior dos males. Havia o pecado, o pecado declarado, o pecado protuberante, o pecado atroz. Se todas aquelas ingratidões fossem feitas ao melhor dos homens já seriam absurdas, mas elas eram feitas ao Homem – Deus e constituíam contra a Trindade Santíssima um pecado supremo. Eis aí o mal da injustiça e da ingratidão. “- Plínio Correa de Oliveira; in: Via Sacra. Pigma Gráfica e Editora, São Paulo, 2017. P. 11