Google+ Followers

sábado, 4 de abril de 2015

A religião da palhaçada!!

Para a "igreja conciliar" pouco importa formar discípulos; o modelo de igrejas das massas é o que predomina. A idéia mesma de diálogo com o mundo, que no fundo visa a atrair a sociedade moderna laicizada, nada mais é que a redução das exigências da fé em nome da igreja do número e das multidões. Nesse sentido a falsa igreja dentro da igreja, para sustentar tal modelo, precisa atender as demandas das massas e suas aspirações a uma religião fácil.  

A falsa religião conciliar, instalada dentro da Igreja pelo diabo, pelos seus anjos e pelos seus ministros na terra, entre os quais vários clerigos e leigos dedicados, dia e noite, a modernizar a Igreja - ou seja a colocá-la na medida do homem mas não do homem redimido pelo sangue de Cristo e sim do homem natural que, segundo Romanos, não entende as coisas de Deus - não satisfeita em profanar a missa, agora profana também a sexta feira da paixão com bailes infames intitulados de "encenação da paixão de Cristo". 

O episódio aconteceu no santuário do pai eterno em Goiás, santuário sob os cuidados do sacerdote redentorista, Padre  Robson de Oliveira. 

Para quem já perdeu tempo assistindo suas "missas" pela tv, não admira que o mesmo haja chegado a tal ponto, levando em conta os infindos abusos litúrgicos que comete e o clima geral de show musical que suas celebrações assumem com frequência. Pe. Robson é o "Pe, Marcelo Rossi" de Goiás: une a pobreza teológica dos atuais redentoristas, que dão uma péssima formação a seus padres oferecidos em seminários cujos professores ensinam tudo menos a vera doutrina da Igreja em sua pureza, a um catismatismo sentimentalóide como faz o padre paulista. A receita "dá certo": o santuário vive repleto de gente. As pregações melosas, milagreiras e pouco doutrinais, atraem "católicos" românticos, ou seja, aqueles que querem uma religião aos moldes de seus gostos e interesses, em geral reduzidos a alguma graça  de ordem material( arrumar emprego, marido, vencer a depressão, etc.) pouco se importanto em viver a sério a fé e dar testemunho profético da mesma num mundo secularizado. 

A foto abaixo revela o estado deplorável em que o referido sacerdote caiu no afã de atrair público para o santuário: moças seminuas a dançar na encenação da morte de Cristo. 

Encenação da Paixão de Cristo, segundo o Pe. Robson!


A pergunta que não quer calar é: existiam bailarinas a dançar no Gólgota? E se existiam dançavam com as coxas desnudas e nádegas a vista? 

A "igreja" conciliar decai cada vez mais baixo. Saí dela se quiserdes ser salvo!


5 comentários:

  1. Se você não conhece a Bíblia, então pesquisa. Mas, desde já vou lhe dar uma dica: as dançarinas estão no Palácio de Pilatos, onde Jesus foi condenado. No Palácio de Pilatos tinha toda essas coisas. Estuda um pouco mais de história Bíblica pra depois você sair criando blogues por ai, condenando Igreja. Jesus disse: não julgueis para que não sejais julgado.

    ResponderExcluir
  2. Quando li a descrição sobre a Igreja Católica, se eu não prestasse muita atenção, achei que fosse fala sobre essas falsas igrejas protestantes que se dizem evangélicas. Pois quando fala de milagres fáceis e prosperidade é típico dessas igrejas que nascem a todo momento por causa de discórdias financeiras entre os falsos profetas que se chama pastores.

    ResponderExcluir
  3. Julgar é bíblico!
    ==================
    Não julgueis pela aparência, mas julgai conforme a justiça. (João 7,24)
    ============================
    E não tenhais cumplicidade nas obras infrutíferas das trevas; pelo contrário, condenai-as abertamente. (Efésios 5,11)
    ==========================

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente pessoas que se dizem católicas não entendem que o "não julgueis" aplica-se À vida pessoal de cada um, mas quando o assunto é o Templo, todo cuidado é pouco, afinal, ali é a Casa de Deus, e quando o assunto é a Missa, todo cuidado é pouco, afinal, ali é o Sacrifício do Senhor, mas seres humanos cheios de si não têm tempo para pensar nisso.

      Excluir
  4. Deviam existir, a gente não sabe as aparências dos demônios que estavam lá...

    ResponderExcluir