Google+ Followers

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

O cristianismo não é um humanismo !

Cristo sendo julgado pelo povo judeu.Como antes fora rejeitado como salvador em face de um revolucionario chamado Barrabás, Cristo sera novamente rejeitado na História por um processo revolucionario que buscará fazer do homem Senhor de si mesmo: não podemos reconhecer isso no movimento histórico da modernidade com a revolução francesa ,a russa e agora a revolução cultural ?
A religião cristã consiste na subordinação de tudo que é humano e frágil para exaltar tudo que é divino e eterno.Entretanto um novo cristianismo apareceu depois  do Concílio Vaticano II(1962-1965) no interior da Igreja Católica e tambem dentro do movimento pentecostal de origem protestante: ambos tendem a exaltar o humano ao ponto de torná-lo divino: a ultima tentação , a prova final da Igreja será decidir-se entre um humanismo ou a luta encarniçada contra ele, para a Glória de Deus.Porém o que vejo é que a maior parte dos cristãos deste triste século sem Deus já escolheu ficar do lado do humanismo.E não é este humanismo que entronizará o Homem feito Deus no Lugar do Deus feito Homem ?Este homem divinizado é o que a Tradição Apostólica chama de Anticristo. 
Quando falo do humano não falo dele tomado abstratamente mas realmente na sua condição de queda e de pecado.Ignorar essa condição e olhar para o humano como os iluministas olham , com otimismo , como pensava Rosseau quando dizia que " o homem nasce bom , a sociedade é que o corrompe", trata-se de gnose que consiste em negar o dogma do pecado original e a consequente depravação do gênero humano e com efeito a necessidade de um salvador.A gnose tem como um de seus traços a ideia de autosalvação , a ideia de que o humano pelas próprias forças possa redimir-se do mal visceral que o atinge. Alguns filósofos e teólogos argumentam que a encarnação do Verbo Divino foi a realização do último degrau da evolução humana( Entre eles Kant, Scheleirmacher , Renan , Teilhard de Chardin , etc).Assim Jesus seria um puro homem que elevou sua consciencia a tal nível que tornou-se "filho de Deus" não por natureza mas por um processo evolutivo.E a encarnação apenas uma metáfora : não foi Deus que se fez homem mas um homem que se elevou a Deus por colocar sua consciencia totalmente voltada para ele.A encarnação do Verbo não foi no entanto a evolução da carne e do humano enquanto tal: Ao tornar-se carne ele divinizou a natureza humana , elevando-a a participação na vida de Deus.Deus se fez homem para elevar a si aquilo que em si mesmo [ a natureza humana ] jamais poderia fazê-lo por si.A salvação da carne e do humano está aí e se dá assim : não pela sua afirmação mas pela sua transformação e elevação.O evangelho de São João mais teológico foi escrito exatamente com esse papel : refutar a heresia gnóstica de Cerinto que via Jesus apenas como um homem elevado.João visou em seu Evangelho mostrar que o Verbo é Deus e que esse Deus encarnou-se historicamente e que pode ser identificado como uma figura humana real : Jesus.A sobrenaturalidade é a chave para entender o que seja cristianismo - ela não é uma filosofia naturalista , um discurso sobre a evolução da consciência humana até Deus na pessoa de Jesus mas a revelação que Deus tenha se feito homem por uma intervenção miraculosa.O amor cristão que é sobrenatural é isso : está muito acima do amor humano , o eros ou a filia , únicas formas que a natureza humana tem de amar.O amor ágape  não nasce de um crescimento natural do eros ou da filia mas de sua superação resultante de um dom do alto qual seja a virtude teologal da caridade comunicada pelo batismo.
 O problema é quando hoje vastos setores do clero falam do homem tomam-no numa chave abstracionista: o homem como saído das mãos de Deus , bom e sem mácula , o homem com todas as suas faculdades íntegras ...era esse exatamente o foco da Gaudium et Spes( constituição pastoral do Concílio Vaticano II)  : um otimismo que tende a não enfocar suficientemente o homem na sua historicidade marcado profundamente pelo pecado ainda que não totalmente corrompido em sua natureza , profundamente ferido nela.Esse humanismo hoje arrisca naufragar o catolicismo em vastas áreas do mundo.É esse humanismo que fez Paulo VI crer ser possível dialogar até com marxistas , é esse humanismo que faz um sacerdote como Fábio de Melo adotar os modos naturais de nosso tempo, é esse humanismo que promove as cristotecas , é esse humanismo que promove o irenismo ecumênico ,fundado na crença de que tudo que é religião é bom por que é humano,   que faz confundir psicologia com espiritualidade , que faz coincidir cristianismo com filantropia e engajamento social , que defende a separação estado - igreja , a liberdade de consciencia , a valorização do que há de positivo nas religiões pagãs ( como se pudesse haver algo de positivo na idolatria - ainda que houvesse seria tão só para levar a mentira multidões misturando-a com algumas verdades para torná-la mais razoável : afinal a mentira absoluta não convence , ela precisa da aparencia da verdade para se suster).
Pode ser que alguem entenda errado o termo  "consiste na depreciação" : ora este termo tem vários sentidos.Não o utilizo no sentido de aviltamento mas no sentido de que em face do divino o humano é colocado em segundo plano na hierarquia da realidade diante da revelação cristã. Platão já ensinava em seu mito da caverna que esta realidade cá de baixo era participação na ideia divina.O que o humanismo tende a fazer é olhar para este mundo cá de baixo a partir dele mesmo : é o que em filosofia chamamos de imanência.O humanismo nega toda a transcendência.Ele rejeita toda valor que possa vir de fora ou que esteja acima do homem.Para o humanismo toda a cultura , civilização , arte, religião, moral deve ser extraída do homem e apenas dele.O humanismo é negação da fé cristã  que afirma que este mundo e o homem só podem ser entendidos por uma ordem divina e eterna que está acima deles.No entanto desde os primórdios da renascença não faltou quem tentasse conciliar cristianismo com humanismo tendendo a ver o homem como um ser igual a Deus , tendendo a ver a razão humana como o Verbo(Logos Divino). 
A grande apostasia da qual São Paulo fala em sua 2ª carta aos Tessalonicensses é o humanismo pelo qual será "revelado o homem do pecado , o filho da perdição, aquele que se opõe e se levanta contra tudo o que se chama Deus ou é objeto de adoração, de sorte que se assenta no santuário de Deus, apresentando-se como Deus."

Nenhum comentário:

Postar um comentário