Google+ Followers

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Francisco, o "Papa Angélico": A heresia joaquimista sentada no trono petrino





Ignazio Silone - italiano, escritor do livro " A aventura de um pobre cristão", sobre o Papa Celestino V, que reinou sobre a Igreja no fim do século 13 - desenvolveu na obra supracitada uma narrativa histórica sobre a tensão entre a liberdade individual e o poder da instituição. O livro traça o contexto da época, que foi um tempo conturbado. Depois da morte de Nicolau IV, em 1294, duas famílias romanas - os Colonna e os Orsini -  passaram a disputar o Papado. Transcorreram suspensões do conclave, surtos de peste, revoltas em Roma, etc. A igreja ficou 27 meses sem Papa. Em 1296 o rei de Nápoles invadiu o conclave e obrigou os cardeais a elegerem alguém. Pedro Morrone, monge idoso, foi eleito e virou o Papa Celestino V.  

Celestino V tinha passado a vida organizando sua comunidade monástica. Pouco entendia da organização burocrática dos estados pontifícios. Para fugir da Cúria transferiu a sede apostólica para Nápoles. Pressionado pelas ambições reais e da cúria romana, Celestino renunciou perante os cardeais, após três meses e voltou a sua vida de penitência. Em seu lugar subiu ao trono pontifício Bonifácio VIII. 

########################################################################

Ignazio Silone
A eleição de Celestino foi recebida com expectação na época. Durante o século 13 as teses do monge calabrês, Joaquim de Fiore, ganhavam adeptos em várias frentes. Fiore ficara famoso por suas idéias referentes a um esquema triplo de desenvolvimento da história: haveria três eras, a primeira, do Pai, marcada pelo antigo testamento; a segunda, a do Filho, marcada pela prevalência da Igreja Católica e a terceira, a do Espírito Santo, que substituiria a Igreja Hierárquica por uma nova Igreja, pobre, espiritual e sob liderança dos monges. As heresias mais violentas, em termos de tentativa de derrubada da ordem eclesiástica e social da cristandade tiveram relação com as doutrinas joaquimitas. Os primeiros a serem contaminados pelos erros joaquimitas foram os chamados Espirituais Franciscanos, depois os Pseudo-apóstolos, os dolcinianos, etc. 

Sobre as heresias dos espirituais franciscanos - uma facção do franciscanismo que seguia o joaquimismo - é importante notar algumas delas como as seguintes: 

- O Anticristo viria em 1248, - marcaram-se, depois, outras datas - e ele seria o Imperador Frederico II., ou um Papa. 

- Haveria um grande castigo  no qual a maior parte dos homens seria eliminada. Mesmo boa parte dos frades franciscanos seria eliminada, sobrevivendo apenas um pequeno resto, que formaria o reino do Espírito Santo.

- Este reino espiritual seria o dos monges, que substituiria a ordem dos sacerdotes. Viria um grande Papa - o "Pastor Angelicus", que vários Papas pretenderam ser - e um grande Imperador que instaurariam o reino do Espírito Santo.

- Assim como a Igreja substituíra a Sinagoga, haveria uma Nova igreja espiritual, igualitária (sem hierarquia) e pobre, sem nenhuma propriedade, que substituiria a Igreja dotada de poder e riqueza. 

-  A lei de Deus seria abolida, sendo instaurada a lei do Amor.

O Papa Celestino conhecia os espirituais franciscanos, e os recebeu com benevolência quando ascendeu ao pontificado. Ouviu as suas queixas e os atendeu; desligou-os de toda obediência com relação à Ordem Franciscana, e autorizou-os a viver nos eremitérios para ali observar a Regra e o Testamento de São Francisco; deu a esse novos Eremitas o nome de Pobres Eremitas, e os colocou sob a proteção do Cardeal Napoleão Orsini. 

########################################################################

Celestino V


Silone caracteriza Celestino V como um "homem que ignorava a grandeza politica da cristandade". Opondo-se a mentalidade do mesmo teríamos o Cardeal Caetani, futuro Bonifácio VIII, o homem da cúria. A Celestino V repudiava o fato de que a Igreja estivesse organizada como um poder. A Caetani era perfeitamente compreensível que ela fosse um poder, sendo ela não mais um pequeno rebanho, como outrora nos tempos apostólicos, mas uma comunidade supranacional, a maior do mundo. Celestino V queria e acreditava poder governar a Igreja apenas com o pai nosso. Caetani sabia que isto não era suficiente. 

Celestino pensava ser a ambição do poder, o desejo de mando, o problema essencial das relações humanas. Diria o mesmo: " Servir-se de poder? Que ilusão traiçoeira. O poder é que se serve de nós. O poder é como um cavalo difícil de governar.Ele segue seu próprio caminho ou, melhor dito, o que ele consegue seguir. Não se pode exigir que um cavalo voe. É necessário dar-se por contente quando se permanece sobre a sela". O poder é a fonte do mal: " a fonte de todos os males da Igreja encontra-se na tentação do poder", dirá Celestino; ele irá asseverar que "ambição e fome de poder são uma espécie de possessão diabólica que corrói a alma, abala-a, perde-a. Também quando procuramos o poder com boas intenções. A tentação do poder é a mais diabólica na qual o homem pode cair. Satanás provou com ela o próprio Cristo. E o que não conseguiu com Cristo obteve com seus representantes. Esta tentação é mais perigosa que a dos sentidos e ela sucumbem muitos varões castos".

A consequência lógica da mentalidade de Celestino V era aquela que Silone soube retirar com clareza em sua obra: "é impossível ser papa e ser um bom cristão". 

########################################################################

Joaquim de Fiore anunciava a vinda de dois anjos ou mensageiros de uma nova era para o mundo, e a de um papa angélico, parecido com a "pomba de Noé' que prenunciava a vinda de um novo tempo. Os contemporâneos do século 13 viram em São Francisco e São Domingos, os dois anjos e, em Celestino V, o papa angélico. Uma visão milenarista dominou as mentes no século 13 e 14. Os espirituais franciscanos viam Celestino como aquele que iria conduzir a humanidade aos tempos da Igreja primitiva e, quiçá, aos primórdios da humanidade quando ainda não havia entrado o pecado. Chegava ao fim a Igreja da Lei, nascia a Igreja do Espírito, pensavam. O reino de mil anos começaria.

Estes impulsos milenaristas decorriam, indiretamente, da novidade franciscana e mendicante. O ideal de pobreza, juntamente com outros conselhos evangélicos, estava  virando o símbolo da revolução. São Francisco com sua tônica na nova dimensão da pobreza trouxe a irrupção de novas forças. A vida em conformidade com Cristo é conformidade com o sofrimento de Cristo, não com Cristo-rei em sua glória. São Francisco criou uma forte identificação entre Cristo e o pobre, os humildes e sofredores. Mas o Cristo dos pobres não é o Cristo da hierarquia sacerdotal e régia, nem a cabeça do corpo místico de Cristo - a Igreja - e da humanidade. A evocação de São Francisco, de certo modo, desestabiliza a ordem social medieval baseada no poder de duas ordens (clero e nobreza) como funções do corpo social. E a idéia de Igreja dos Pobres terá consequências históricas impressionantes. Muito da retórica protestante anti-romana nasce da acusação contra o poder do Papa como um poder mundano, como um símbolo do anticristo; o mesmo diga-se das acusações lançadas contra a Igreja Católica pelos cismáticos orientais - ditos ortodoxos - bem explicitada no poema do Grande Inquisidor de Dostoiévisk que diferenciava o apelo de Cristo a liberdade pessoal do homem em face à inquisição e ao poder da Igreja; para Dostoiévisk o Catolicismo buscou "corrigir" a obra de Cristo que teria vindo a terra para que os homens amassem e cressem em Deus por causa de Deus e não por causa dos milagres, para que os homens tivessem fé não por causa da autoridade mas por convicção livre; para o escritor russo o Catolicismo se funda num pragmatismo político em face da humanidade, numa descrença de que se possa levar os homens a Cristo sem fazer uso do poder, da lei, etc. Dostoiévski afirma que, então, o Catolicismo é a negação do Cristo dado que ele teria apelado a pura liberdade espiritual do homem. Dentro destes enfoques, no que eles tem de comum, a ilação lógica é simples: o catolicismo deve ser superado e uma nova Igreja deve surgir. 

########################################################################

É justamente aqui que entra a figura do Papa Francisco. Façamos um breve histórico. 

O nome Francisco para o novo Papa já vinha sendo defendido pela ala progressista antes do conclave que elegeu Bergoglio. E, ao defender o nome que o Papa devia assumir, defendiam também um programa : "Deponho esta férula de prata: como diz Marcos, não levem para a viagem nada mais do que um bastão. Deponho este chapéu anacrônico: mais do que um pastor, ele me mostra como um sátrapa oriental". Ele se desfolha como uma cebola: do anel de zafira, da cruz de ouro maciço, dos paramentos "luxuosos que deveriam render glória a Deus e se tornam ofensa para os pobres"( http://www.ihu.unisinos.br/noticias/518273-a-hora-impossivel-de-um-papa-francisco-i)

O trecho supracitado é da obra do padre Paolo Farinella que viveu em Jerusalém e que foi amigo do Cardeal Martini. Em 2000, publicou o romance "Habemus Papam, Francesco I", que seria um papa da "caridade e comunhão". Isso demonstra que houve, nos subterrâneos da Igreja, uma conspiração para que este pontificado de Francisco, eleito para cumprir um papel pré-definido, acontecesse. Francisco foi eleito para fazer o joaquimismo sentar-se no trono de Pedro.

Logo após a eleição, Francisco fez questão de romper, de certo modo, com a cúria romana indo morar na Casa Santa Marta. Um gesto parecido com o de Celestino V que foi viver em Nápoles, longe da burocracia pontifícia.( http://www.acidigital.com/noticias/o-papa-francisco-explicou-por-que-mora-na-casa-santa-marta-95263/). 

Ao invés do tradicional anel de ouro, usado pelos papas para designar sua excelsitude enquanto sucessor de Pedro, Francisco adotou o anel de prata( http://veja.abril.com.br/mundo/papa-francisco-usara-anel-de-pescador-de-prata/).

Francisco, por estas e outras, encarna a velha idéia do "Papa Angélico".

########################################################################

Voltemos a Silone, autor do livro sobre Celestino V. Ignazio Silone fora militante do PCI - partido comunista italiano. Tendo virado secretário geral do PCI, tornou-se membro do Komintern tendo ido várias vezes a URSS na década de 30. Nestas viagens ficou decepcionado com o regime stalinista e seu sufocamento das liberdades, sua imoralidade, crueldade, etc. Em 1937 ele escreveu um romance na Suíça onde manifestou seu descontentamento com o comunismo. Na obra tocara na possibilidade de subistituir o fascismo pelo comunismo, na Itália; o personagem principal do romance, um comunista dissidente, perseguido por Moscou, que se fantasia de padre para sobreviver, afirma que de nada valeria trocar fascismo por comunismo pois seria o mesmo que trocar a inquisição negra pela vermelha, e que o socialismo burocrático, assim como o fascismo, iria perseguir sem piedade todos os que se atrevessem a pensar de forma livre. Silone foi um dos primeiros pós-marxistas, que abandonando o modelo soviético, continuava a crer na utopia. No livro que escreveu sobre o papa Celestino V a idéia era recuperar a utopia, sob novos moldes. Silone acreditava que uma síntese entre o melhor do cristianismo e o melhor do comunismo seria a base para esta nova utopia: ela seria baseada num sentimento cristão de fraternidade e numa inclinação para com os pobres e fracos; com isso se salvaria a essência do cristianismo - presente no Pai Nosso -  e do socialismo. Cristianismo visto como reino da fraternidade universal e não como religião institucional e dogmática; socialismo como mística do homem e da humanidade e não como burocracia. Um novo socialismo cristão: era nisso que Silone pensava. 

E não é nisso que Francisco pensa? 

Não é isso que Francisco tenta realizar quando chama o MST a Roma? ( http://www.mst.org.br/2016/11/04/joao-pedro-stedile-comenta-encontro-dos-movimentos-populares-com-papa-francisco.html)

Não é isso que Francisco postula, uma nova era de fraternidade universal, sem base na fé católica, mas num ideal genérico de direitos humanitários quando vai a ONU discursar sobre o papel dos governantes no combate a pobreza, sem referência aos seus deveres quanto a reconhecerem o reinado de Jesus Cristo e o poder de sua Igreja na terra? (http://noticias.cancaonova.com/especiais/pontificado/francisco/discurso-do-papa-francisco-na-onu/). 

Não é a destruição da Igreja da lei, dos canônes, a Igreja da ordem, para dar lugar a nova Igreja do Amor, que Francisco tenta realizar, ao relativizar postulados eternos, abrindo espaço para este humanitarismo socialista-libertário?(https://fratresinunum.com/2016/11/14/bombastico-cardeais-divulgam-carta-e-questionamentos-sobre-amoris-laetitia-que-francisco-se-negou-a-responder/)

Não restam mais dúvidas de que Francisco é o eixo do neo-joaquimismo, dos delírios milenaristas heréticos que acreditam poder recriar o paraíso perdido nesta terra de exílio, com base numa síntese diabólica entre catolicismo e o reino deste mundo, representado pelos poderes e movimentos globais atrelados ao humanismo progressista, ao socialismo liberal, e ao ideário maçônico da Religião do Homem, Homem entronizado no lugar do Deus Trindade, Homem que se assentará no Trono de Deus para ser adorado no lugar dele.

Rafael G. de Queiroz. 


Referências bibliográficas

Boni, Luis Alberto. De Aberlardo a Lutero; estudos sobre filosofia prática na Idade Média. EDIPUCRS, Porto Alegre, 2003. 

Silone, Ignazio. L' avventura d'un povero cristiano. Milano, 1968. 

Souza, J. A eleição de Celestino V em 1294 e a crise da Igreja no final do século 13". In: Veritas 39(1994), n.155, p 481-498. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário