Google+ Followers

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

As mentiras de Gugu sobre o Catolicismo



Luiz Gonzaga de Carvalho, filho de Olavo e guru esotérico, mente sobre a Igreja Católica.


Pontifica Luiz Gonzaga de Carvalho Neto, vulgo Gugu, a.k.a. Sidi Ahmad, astrólogo errante que já viveu numa penca de cidades brasileiras e na Romênia, vez ou outra dando cursos de religião comparada inclusive aos católicos - sob indiferença ou omissão da "ortodoxia combativa" de seu pai que já teorizou sobre excomunhões e interditos nos quais teriam incorrido (segundo ele) cardeais e até o papa:
"Qualquer padre de ESQUINA na Igreja Ortodoxa, se perguntado: 'por que que a gente tem que ter essa religião aqui', responde 'é simples, meu filho, você tem essa religião pra você realizar um processo que se chama THEOSIS, deificação; você vai fazer isto, isto, isto e aquilo pra você participar da vida divina até atingir a perfeição espiritual.' É perfeitamente claro.
No Ocidente, eu não sei por que, a religião cristã como que se AFEMINOU. Ela virou um discurso de uma novela de amor, é uma história de amor escrita por mulheres para mulheres. As pessoas vão à Igreja no Ocidente para obter experiências emocionais, pedir ajuda, se sentir bem, 'hmmm...', percebe? Mas isso não é o projeto cristão. Se você olhar até a Idade Média, todo mundo sabia que cristianismo não era isso!
Entra numa igreja ortodoxa e pergunta para um padre ortodoxo o que é o cristianismo e por que você deve fazer aquilo. Ele vai te dizer exatamente assim: 'é assim, assim, assim, por causa disso, disso, disso, e o propósito desse negócio é você obter a natureza divina.'
A Igreja Ortodoxa é a única igreja em que a população masculina equivale à população feminina. A única igreja em que os homens vão é a Igreja Ortodoxa. Porque ela não é apenas esse discurso emocional diluído que se tornou a Igreja no Ocidente, onde todo mundo vai à Igreja para aplaudir, pra se sentir bem, pra sentir que Deus te ama e você ama a Deus... Para a maior parte dos homens, isso soa mais ou menos como conversa fiada, papo furado, bobagem. Se tem uma coisa que homem não gosta é quando ele percebe que alguém está tentando manipular as emoções dele, e é geralmente isso que se faz na maior parte das igrejas no Ocidente."
_____
É verdade que houve uma feminilização - mais espiritual que propriamente comportamental - da sociedade como um todo e também dos leigos e da hierarquia eclesiástica da Igreja Latina.
No entanto, a virilidade católica é um artigo que pode ser encontrado em não poucos meios, mesmo na "Igreja Conciliar" de alguns lugares como a África ocidental, Filipinas, Hungria, Lituânia e Polônia. Sem falar na pujante "Igreja do Silêncio" que está nas catacumbas da China e de outras tiranias vermelhas residuais do Sudeste Asiático e do Extremo Oriente.
Além delas, há as igrejas católicas sui iuris cujas sés primaciais estão no mundo eslavo ou no Levante, mas cujo rebanho de fiéis (diasporizados, "autóctones" ou neoconvertidos) no Ocidente, além de numeroso e crescente, é cada vez mais percentualmente representativo dentro dessas igrejas particulares, o que tende a sepultar de vez certo viés de "capelania étnico-tribal" ainda conservado e entranhado nas igrejas cismáticas "ortodoxas" - tão supostamente mais bem preservadas da corrupção do "Ocidente liberal" quanto mais estáticas e mumificadas no orgulho da própria sofisticação, satisfeitas demais com a "Igreja do primeiro milênio" a ponto de não poderem se dar conta das almas de todas as gerações, estamentos e etnias que não tenham testemunhado desde o berço o esplendor da "Lux Orientalis". No entanto, é de justiça dizer que faz-se hiato a esse narcisismo eclesial triunfalista e acomodado sempre que as demandas dos poderes terrenos queiram usar a pretensa autoridade eclesiástica "ortodoxa" para sanar os desarranjos culturais internos de sociedades indóceis ou imprestáveis à ambição desses poderes, ou ainda, para aliciar deslumbráveis e desiludidos dos países estrangeiros hostis ou desconfiados de tais poderes. Eis aí súmula da "igreja" celebrada pelo Gugu e por ele colocada como modelar para a Igreja Católica.
Ah, permitam-me espichar esse parêntese (não tão parêntese agora) sobre essa questão da idoneidade do cristianismo crido e ensinado por católicos e "ortodoxos": por pior que de fato esteja, a Igreja Católica conserva os poderes de seu Divino Fundador e dos Apóstolos e pode deliberar conclusivamente em concílio acerca de suas perplexidades - como feito em Trento, por exemplo. Na falta de um tal debate, o desenlace dele pode ser protelado indefinidamente até sem prejuízo duradouro e inclusive ordinariamente substituído pelo juízo monocrático apenas aconselhado do papa. Já os cismáticos não demonstram poder fazer isso faz quase mil anos e não podem e/ou não querem dar assentimento a uma instância permanente de arbitragem e deliberação que supra ou substitua a falta de um concílio dogmático, de modo que deveriam admitir alguma das seguintes proposições:
- o poder dos Apóstolos deixou de existir entre os cristãos remanescentes
- o poder dos Apóstolos é supérfluo, desnecessário ou inútil na vida corrente da Igreja,
- o poder dos Apóstolos só age dentro da vida corrente da Igreja servindo-se da espontaneidade ou da correlação de forças de seus membros, sem a possibilidade de mediação por uma inteligência institucional jurídico-burocrática perene e visível a arbitrar disputas e a sanar dúvidas
- a mediação de uma inteligência institucional jurídico-burocrática intrínseca e visível obstaculiza e até impossibilita as operações do poder dos Apóstolos na disciplina e no esclarecimento da Igreja, o que torna a situação atual (misto de dúvida, disputa e estagnação) preferível às definições e ao desenvolvimento trazidos por um concílio dogmático ou pelo papado
- não há cristãos remanescentes que possam usar o poder dos Apóstolos
- tal poder continua a existir mas escapou das mãos dos "ortodoxos" (quem sabe para as mãos de novos guardiões do Evangelho, ou até para as mãos de propositores de um "novo Evangelho" ora ignorado ou ainda por vir ...)
- o poder dos Apóstolos está aquém da plenitude na Terra sem um papa correligionário, o qual só poderia ser dado aos crentes nos dias de hoje com a ereção de um novo papado cuja sede e ocupante ainda não foram (se é que poderiam ser) acordados entre os "ortodoxos", o que TALVEZ pudesse acontecer na conclusão dos trabalhos de um concílio cuja qualificação dogmática teria de ter reconhecimento unânime entre tais crentes, concílio esse que aparentemente não estão em condições de reunir ou de concluir
- o poder dos Apóstolos só serve para exercer uma taxidermia eclesiástica reativa a Roma, e mesmo assim incapaz de produzir uma contestação ampla, cabal e unívoca capaz de sistematizar uma doutrina vinculante respaldada por medidas jurídicas, políticas e pastorais coerentes e sinérgicas contra os erros supostamente levantados desde o Vaticano, tornando assim a "Ortodoxia" um clube de queixosos (quanta virilidade, Gugu!) e de (olha que ironia!) protestantes
- o poder dos Apóstolos continua onde sempre esteve e estará: na Igreja Católica Apostólica Romana, assistida de forma integral pelo Divino Espírito Santo, de modo que só isso explicaria que a Roma ébria de liberalismo e modernismo é salva de si mesma sempre que se esforça para destruir a moral, a disciplina, a liturgia e a espiritualidade sustentados por séculos entre o povo fiel.
Portanto, antes que queiram renovar seus resmungos anti-romanos, os "ortodoxos" deveriam se dar ao trabalho de uniformizar (mediante um concílio com começo, meio e fim cujas conclusões sejam vinculantes e aceitas por todos eles) o entendimento e a aplicação correntes da doutrina do primeiro milênio de cristianismo e responsabilizar e penalizar de forma direta todos os culpados pelos desvios introduzidos pela "Roma novidadeira" que alegam detestar. Até lá, que tratem de ficar quietos - ou de fazer o "mea culpa" pela propagação de supostas heresias que se eximem de condenar com os meios mais eficazes hipoteticamente disponíveis - ou seja, o tal concílio de que falei ou um papado confiável e de reta doutrina restabelecido pelos verdadeiros crentes. Podem ir brincar de headbangers lá no Muro das Lamentações com os deicidas ...
Findo esse parêntese extenso, e considerados os casos talvez ainda promissores dessas igrejas particulares isoladas e precarizadas da recensão do Novus Ordo ou a ela subservientes, há ainda que se considerar também a reserva de espiritualidade varonil dos contingentes cada vez maiores e mais combativos do pessoal ligado à antiga liturgia latina - frequentada até mais pelos homens que pelas mulheres, e mais pelo destemor dos jovens que pelo saudosismo dos velhos.
No mais, que o Gugu trate de abandonar o sincretismo e o ecletismo tariqueiro antes que a barba dele fique completamente chamuscada pelos miasmas sulfúricos do Inferno, miasmas esses que já o estão deixando com a aparência de alguma coisa que lembra a hibridização da Marina Silva de porre com o Schuon usando Jequitilt. Até que ele desista de ser o Seu Madruga sufi que pensa que é a Bruxa do 71, é bom também que ele dê uma melhorada na acurácia das previsões astrológicas com as quais ele cativa elementos que tem mais dinheiro que juízo ou memória. Afinal, não são todos que se esqueceram do mapa astral por ele confeccionado no qual era vaticinada a vitória de Ciro Gomes nas eleições presidenciais de 2002.

Autor: Victor Fernandes. 


3 comentários:

  1. Na cara que é um texto invejoso. Vou lá ver quem é o GUGU! kkkk

    ResponderExcluir
  2. O que mais me chocou no Luiz Gonzaga de Carvalho Neto é que ele, de modo faceiro como lhe é peculiar, desafiava os soi-disant tradicionalistas a pregar na frente de sinagogas e mesquitas, e casas de culto protestante, como para dizer "você é uma farsa, porque apresenta os seus valores diante de pessoas que não vão reclamar ou revidar, mas não se coloca em risco ou testa a própria bravura". Esse é um de infinitos sinais de que o meio social do professor Olavo está carregado de pessoas cuja raiva ou medo do tradicionalismo lhes anuvia o julgamento. Por quê? Porque quando alguém prega a própria fé em uma circunstância como essa, na frente do recinto religioso alheio, se está insultando o religioso maximamente, se está atacando o seu ego ao máximo; se está sendo ao máximo pouco respeitável. Ninguém vai dar ouvidos em tal circunstância. Qualquer manual de sociologia aplicada vai apontar isso como óbvio. É uma característica do meio social dos que têm reserva ao tradicionalismo dizer coisas que são como que programadas a escapar ao exame racional, e ao mesmo tempo irritar e desnortear. O exemplo mais clássico disso é o famoso "em vez de se fiar em um dogma tal, que vai te deixar bitolado, por que você não prática a caridade e vive o evangelho", um sofisma absolutamente desconcertante na sua feiura, sobretudo por ter sido ridicularizado com alarme por um dos autores mais importantes do meio social olaviano, o René Guénon. Como diria o Robert Greene, "Não diga a verdade, se não está preparado para a raiva e o ressentimento que desencadeia. A verdade é desagradável e desestimulante." Pedro, do blog Notas Sobre Doutrina Católica. Eu peço ansiosamente, só por referência, que se acesse meu blog, pedrohenriquedelima.wordpress.com , e se o compartilhe no facebook, há muito conteúdo que interessará a muitos.

    ResponderExcluir