Google+ Followers

domingo, 28 de setembro de 2014

O que está por trás da perseguição a Dom Livieres?

Dom Rogelio Livieres.



A recente destituição, absurda e arbitrária, de Dom Rogelio Livieres, ex bispo de Ciudad del Este, reabre a discussão sobre a natureza do pontificado de Francisco. Os fatos são tão claros que, negar que são o que são demonstra ou grave deficiência intelectual, ou doença mental ou malícia.

Cremos que ela revela, de modo definitivo, o que é este pontificado, qual seu projeto e que efeitos ele visa causar na vida interna da Igreja. Caso restasse alguma dúvida em face do mesmo este episódio esclareceria de forma cabal as dúvidas ainda de pé. Como para alguns ainda restam dúvidas é preciso expor o que ela significa. E para isso é preciso fazer um histórico desse caso. Em fins de 2008, Dom Livieres entregou uma carta a Bento XVI denunciando graves situações morais relativas ao episcopado paraguaio, entre elas a situação de Lugo, recém eleito presidente da república, em dissonância com a disciplina que a lei canônica pede nesses casos: Lugo haveria mantido relações com mulheres das quais teriam nascido filhos(acusação que depois veio a ser comprovada). Livieres ficou marcado, também, por ter criado um seminário em Ciudad del Estes, em razão da deficiente formação dada pelo Seminário Nacional do Paraguai. Desejando assegurar a boa formação de seu futuro clero, retirou de lá seus seminaristas e foi zeloso na busca por uma séria educação católica que fosse fiel a doutrina e ao magistério da Igreja. 

Na época Bergoglio - intimamente unido ao episcopado progressista do Paraguai- deu início a uma perseguição a Dom Livieres, encaminhando reclamações a Roma sobre trânsito de seminaristas que saíam de Buenos Aires para Ciudad del Este. Por pedido do então Cardeal Bergoglio a Santa Sé processou o bispo paraguaio - leia-se Dom Livieres - por haver recebido um seminarista sem pedir as informações canõnicas e tendo-o ordenado sem os requisitos acadêmicos. O projeto bergogliano então, apoiado por bispos do Celam e pelo episcopado comunista do Paraguai, era o de enfraquecer o seminário de Dom Livieres, pois este aparecia como uma resistência ao progressismo. Trânsito de seminaristas aconteciam, então, aos montes na Argentina. Por que Bergloglio preferiu tratar do caso do seminário de Livieres e não dos da Argentina? A resposta é fácil: os seminários argentinos não representavam, como o de Dom Livieres, ameaças ao seu projeto liberalizante-esquerdizante de Igreja. 

A chegada de Bergoglio ao Papado deu ao mesmo a oportunidade para colocar em prática seu antigo plano. É sabido na Argentina que Bergoglio, quando cardeal, costumava acusar seus desafetos ou de prática gay ou de afinidade gay ou de proteger gays. Quando essa acusação não funcionava usava dossiês para provar que os mesmos tinham problemas psiquiátricos. A mesma estratégia está sendo usada agora: Dom Livieres é acusado de não dar conta do caso de um padre que teria cometido abusos sexuais. Ora é preciso ser muito, mas muito ingênuo para acreditar que isso bastaria para que Roma tomasse a atitude de destituir Dom Livieres. Tais casos pululam no Brasil, em dioceses conhecidas, mas nada acontece. Aqui mesmo em Nova Iguaçu - RJ onde vivemos houve um caso de abuso sexual cometido por um padre, recentemente. O que fez o Bispo? O transferiu de paróquia. Hoje ele se encontra em Minas. Roma fez o quê? Nada. Em 2007 e 2011 eu mesmo enviei cartas a Roma com dados sobre os problemas da diocese. Nenhuma resposta. Uma das cartas foi entregue nas mãos do Cardeal Canizares. Nada. O que prova que os punidos são selecionados. Quando há um interesse político na punição, ela acontece. Faltando este nada acontece. 

Em geral esse interesse se constitui sobre a noção de que o bispo ou padre em xeque não estão em comunhão, o que quer dizer que estão atrapalhando as reformas trazidas pelo Concílio Vaticano II.  É essa acusação que pesa, hoje, contra Dom Livieres. Ele mesmo o relata em sua recente carta, onde fala de uma conversa com o Núncio: 

"As conversas que tivemos, aparentemente (porque eu não vi os documentos oficiais), dão como justificativas para uma tão grave decisão uma tensão na comunhão eclesial entre os bispos do Paraguai, a minha pessoa e a Diocese: “Nós não estamos em comunhão”, o Núncio havia declarado em sua conferência."

O que é estar em comunhão hoje? Tendo sido acusado da mesma coisa aqui em minha diocese, em razão de defender a fé contra abusos do clero e de leigos, entendi que essa alegação significa que a vida eclesial hoje em dia, depois da traumática experiência do Concílio Vaticano II - responsável direto por essa noção pacifista de comunhão - deve estar fundada na concordãncia mecânica com esquemas pastorais construídos coletivamente segundo um sentir novo: esse sentir novo exclui, de cara, qualquer defesa de conteúdos dogmáticos. Esse sentir novo exige que cada católico, se ajuste as novidades do tempo presente e que aceite, no interior da Igreja, "ajustes"(o termo certo é mudanças) litúrgicos, doutrinais, pastorais aos novos tempos. O pedido de João XXIII, quando da convocação do Concílio, em prol da adaptação da doutrina ás circunstâncias dos tempos e lugares, é a base da idéia - nova - de comunhão. Comunhão sempre foi entendida na Igreja como união com a fé dos santos, apóstolos e doutores. Hoje é vista como "unidade" de ação e pensamento com as estratégias pastorais de agora. A noção de Jaques Maritain de irreversibilidade do mundo moderno e da modernidade como realizadora de certos ideais cristãos é assumida, de forma consciente em alguns, inconsciente em outros,como o novo dogma a ser assumido por católicos: a Igreja deve se pautar pelo que acontece agora no mundo, nas tendências morais de cada época; estar em comunhão é "entrar na dança": quem quer que fique "preso" a formas tradicionais é acusado de estar fora da comunhão. 

Esse primado da pastoral, dogma da neoigreja, que se impôs a partir do Concílio Vaticano II é a versão teológica do primado da práxis de Karl Marx, para o qual "é na práxis que o homem deve demonstrar a verdade, ou seja, a realidade e o poder, o que há de mundano em seu pensamento". A práxis, ou resultado político da ação na história, é, para Marx, o critério sumo da verdade das idéias. A partir do Concílio Vaticano II ficou a noção de que a missão dos pastores não é transmitir dogmas mas transformar a História por meio da fé, mas de uma fé sem dogmas é claro.Isso se esclarece a partir do que dizia o Cardeal Bea: " os frutos do Concílio devem ser procurados não nos textos fixados no papel, mas nas experiências feitas pelos participantes...isto aplica-se de modo especial ao campo ecumênico"( Bea, Agostino. Il cammino all' unione dopo il Concilio. Morcelliana, Brescia, 1966, p.10). Na neoigreja a ortopráxis passa a ser o critério de verificação da fé: se a práxis de fé altera a história no sentido de uma utopia social, então ela é verdadeira.Como Dom Livieres não conseguiu caminhar nesse sentido foi punido.

O que está por trás da destituição de Dom Livieres, senão a colocação em prática desse projeto de "Igreja" em comunhão com o mundo, projeto acalentado faz 50 anos, e hoje aplicado com afinco no novo pontificado que depois de ter vitimado os franciscanos da imaculada, afastado os poucos elementos conservadores da cúria - incluído aí o Cardeal Burke - agora persegue um bom e zeloso bispo? 

Rezemos por esse mártir da fé e pela libertação da Igreja dessa malta de hereges que hoje a governam.





2 comentários:

  1. Por favor, publique este informe sobre el Seminario Nacional de Asunción, acá se ve que son asiduos seguidores de la Teología de la Liberación: http://realidadcatolica.blogspot.com/2014/09/informe-de-roma-revela-suciedades-del.html

    ResponderExcluir