Google+ Followers

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Ecumenismo e diálogo interreligioso até que ponto ?


Beata Anna Catharina Emmerich (1774-1824), freira agostinha alemã que foi estigmatizada, profetizou igualmente a vinda da "falsa Igreja da escuridão": "Vi uma Igreja estranha a ser construída contra todas as regras, como sendo a nova Igreja heterodoxa de Roma. A Igreja está em grande perigo. Estão já a exigir algo dele (do Papa). A doutrina protestante e a dos Gregos cismáticos espalhar-se-ão por toda a parte. A Igreja está a ser minada com grande sagacidade. Vi que muitos pastores deixaram-se levar por idéias perigosas à Igreja. Estavam a construir uma Igreja grande, estranha e extravagante. Toda a gente seria admitida nela para estarem todos unidos e com direitos iguais: protestantes, Católicos, seitas de todo o gênero. Assim viria a ser a nova Igreja."



Fora da Igreja não há salvação.Isso é um dogma de fé.Qualquer católico que se preze deve professá-lo.No entanto há 50 anos que esta verdade vem ficando cada vez menos clara para os católicos.Isso é resultado da crise de fé ligada diretamente ao chamado espírito de diálogo que se apossou de mentes e corações de bispos , padres e até papas, e claro dos fiéis que embarcaram junto.

Há quem diga : ora o CV II aprovou o diálogo !!

Sobre isso dexemos claro que o O CV II não é o critério supremo de aferição de fé católica pois não proclamou dogmas ou sentenças de fé divina e católica obrigatórias.No tocante ao dialogo com o mundo ele se trata de estratégia pastoral não dotada de infalibilidade.

Outros dirão : ora a Igreja não tem o direito de adaptar sua pastoral aos tempos ? Nosso tempo não exigiria uma pastoral do diálogo ? 

Contra isso o ensinamento de PIO X , na  Lamentabili, que tem caráter de ensino infalível diz que é proposição condenada : 

Nº 53 do Lamentabili: "A constituição orgânica da Igreja não é imutável; a sociedade cristã assim como a sociedade humana, está submetida a uma perpétua evolução." E nº 63: "A Igreja se mostra incapaz de defender eficazmente a moral evangélica, porque adere obstinadamente a doutrinas imutáveis que não podem conciliar-se com o progresso moderno."

Ora dirão : mais aí se falam de doutrinas e da constituição orgânica da Igreja,  porém o diálogo é uma pastoral , uma práxis e não uma doutrina.Sim sem dúvida o diálogo ecumênico e interreligioso são práticas, mas que emanam de uma doutrina: a de que a atitude e ensino da Igreja ao longo dos tempos em sua relação com as outras religiões de cunho cristão ou não está superada por uma nova forma de considerar e fazer as coisas que difere da maneira como a Igreja considerou e fez no passado.E que em suma implicam numa nova forma de organizar a Igreja internamente para que atenda a esta ação externa no mundo em relação ao diálogo com os de fora.

Roberto de Mattei prova isto em sua obra sobre o Concílio Vaticano II.Diferentemente dos concílios anteriores, o Concílio Vaticano II (1962-1965) coloca para os analistas (teólogos, historiadores, etc.) um problema novo. É que todos os concílios anteriores exerceram, com e sob o Papa, um Magistério solene, definindo verdades de fé e moral e tomando medidas de caráter disciplinar, enquanto juízes e legisladores supremos. O Concílio Vaticano II, contudo, não deliberou nem propôs, de modo solene e definitivo, nenhuma verdade de fé ou moral.Pretendeu antes dar a verdade revelada nova forma sob o critério pastoral : ou seja dar-lhe uma forma que correspondesse a mentalidade moderna , adequada aos tempos modernos.Nesse sentido buscou modificar a forma pela qual se apresentam as verdades de fé(Nesse sentido é que se explica o abandono do tomismo na teologia e doutrina ).

Há alguns dias entretenho uma polêmica com dois católicos liberais sobre a questão do "Ecumenismo e diálogo interreligioso".Em face a isso muitas coisas precisam ser aclaradas

Não levar a luz da verdade aos que estão nas trevas é um crime capital."Há quem sustente que" uma coisa são os valores perenes, outra coisa são as ações humanas no tempo. Uma coisa é falar de princípios, outra coisa é falar de como lidar com as circunstâncias, dentro de situações contextualizadas e estabelecidas".

Sim concordo mas a maneira de considerar a relação dos princípios com as circunstãncias nesse caso é errada.Pois bem : é um princípio universal a lei "não matarás".No caso da legitima defesa há uma aplicação dela ao caso concreto pois a primeira vida que se deve preservar é a própria.Nesse sentido cabe matar para não morrer.Em suma matar para aplicar a regra "não matarás" é um excepcionalidade.O mesmo diga-se do diálogo ecumênico ou interreligioso.A missão da Igreja é transmitir a fé revelada e salvar o mundo.Nesse sentido e para tanto ela é enviada a pregar e santificar.Não existe um mandato divino ao diálogo.Ele pode existir como excepcionalidade desde que se atenda ao objeto da missão da Igreja : ensinar ,santificar , salvar.E deve ser julgado pelos frutos.Ora o que se vê em todos esses diálogos é que ficam sempre no plano humano , temporal e secular ; sempre se pautam por um enfoque puramente natural : busca por justiça social , liberdades , igualdades , tolerância , respeito a vida em seu aspecto natural , etc.Evidente que o patrimônio da lei natural e sua defesa fazem parte do papel da Igreja pois a graça supõe a natureza.Mas sua missão não se esgota aí nem se caracteriza essencialmente por isso.Os encontros ecumênicos e interreligiosos , dos ultimos 50 anos se pautam todos ou por essa constelação de valores comuns , ou por irenismos que se identificam com um cristianismo "kerigmático" sem dogmas ou doutrinas.O que demonstra que o diálogo de meio virou um fim em si, o que é absurdo.Um diálogo que servisse de meio a apresentação da fé e dos dogmas católicos seria ótimo.Uma chamada geral das religiões para o conhecimento de Cristo seria santo.Mas pelo contrario não há uma chamada geral a conversão o que fica claro quando vemos a que se reduziram muitas missões católicas hoje em dia , limitadas a obras sociais e que já não tem mais o fervor da pregação dos conteúdos do evangelho.Pretendem evangelizar pela práxis sem falar de Cristo.Ainda que alguns pudessem dizer que se trata de um boa tática ela tem que ser julgada a luz dos frutos: e quais são eles ? Não existem simplesmente.Podem dizer o que for em defesa desses diálogos em ecumenismos mas de um coisa não podem escapar : da evidência de que não existem frutos.Os frutos desse método pastoral é o fracasso da religião católica a níveis jamais vistos.Nem mesmo nos países de maioria católica a Igreja consegue exercer influencia pública forte a ponte de forjar leis e instituições.O diálogo não foi capaz de refrear a onda secular que nos invade e pior até a estimulou ao sujeitar a religião ao processo dialogal da modernidade - onde vale o consenso ! Não foi capaz de deter a debandada de fiéis , não foi capaz de deter a crise de fé , não foi capaz de impedir a escalada islâmica , não foi capaz de deter o crescimento das seitas , não foi capaz de deter esoterimos e orientalismos no ocidente ...não há frutos e se formos minimamente honestos temos que admitir isso, ou então inventemos estatísticas ou façamos algum malabrismo retórico.Diante disso fica claro que os argumentos dos defensores do diálogo a todo custo  são espúrios , farsescos , loucos e levianos.Tais pessoas insistem em um descaminho , que em termos práticos - é muito comum os defensores dele apelarem ao aspecto prático diversas vezes dizendo que já não vivemos mais na idade media ...ora em termos práticos o diálogo é um fracasso , é uma grande e total derrota da religião católica a nivel civilizacional.Agora eu me pergunto se essa derrota prática da Igreja realmente importa aos defenmsores do diálogo.Durante todos esses anos ao me deparar com os fautores do diálogo foi ficando para mim muito evidente que frequentemente a estes não importam os fracassos da Igreja em termos de propagação da fé seja em quantidade e qualidade, mas sim sua sintonia com um credo humanista.Ora se é assim tais fautores do diálogo , se estes aderem a este credo humanista e creem com todas as forças que os tempos são outros e que por isso mesmo diante do fracasso prático da Igreja , se deve seguir nesse rumo de diálogos e mais diálogos pautados por valores genéricos nascidos em berço iluminista então quem realmente ama as noções abstratas e atemporais sem a devida contextualização temporal das mesmas não sou eu.Se os mesmos pretendem avaliar toda a história da Igreja a luz destes valores genéricos então são eles os amantes das abstrações filosóficas sem praticismo.Pior para eles que tais abstrações não tenham raiz católica.

Entre as abstrações do dogma e os do iluminismo fico com as primeiras mesmo correndo riscos de não saber aplicar bem as do dogma , mesmo correndo o risco de imprudência.Pois decerto : é bem mais seguro errar na prática tendo os dogmas que tentar ter ações acertadas com base em princípios não dogmáticos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário